Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Este seria o sentimento geral da atualidade caso vivêssemos em 1955. Felizmente estamos em 2015, a sociedade evoluiu qualquer coisa e chegamos ao ponto em que o piropo é criminalizado. Na verdade, "piropo" nem é referido na lei recentemente aprovada em Assembleia e reporta-se às diferentes formas de importunação sexual. Então de onde vem tanta celeuma com a "lei do piropo"? Simples: a comunicação social, sempre em busca do próximo frenesim, apropriou-se da expressão e apelidou assim a nova lei - ainda que esta se refira claramente ao assédio sexual. Mas todos os olhares se fixaram na palavra "piropo" e choveram críticas, piadas e lamentos. Todas, sem exceção, vindas de elementos do sexo masculino.

 

E todos sabem que nós, homens, temos uma infinita capacidade para sermos umas bestas quadradas.

 

"Então e o meu direito de liberdade de expressão para mandar uns piropos, umas piadas - quiçá até com algum teor sexual porque elas até gostam? Que vai ser dele?!" -- pergunta o bronco da esquina. Meu caro, ninguém te impede de fazer nada. Podes mandar a cantilena que quiseres da maneira que quiseres a completas estranhas na rua. Apenas tens de te aguentar à bronca, se for caso disso. "Ah, mas existem piropos inocentes!" -- não, não existem. Como é o destinatário a determinar se a tirada é (ou não) ofensiva e não há forma de saber isso de antemão, então não existem piropos inocentes. E vamos lá deixar de sermos ingénuos e achar que o que está em causa aqui é um simples "Oh, boa!" (que já é ridículo que chegue). É o desrespeito, a ofensa, a objetificação sexual da mulher, o assédio puro e duro vindo de qualquer parte e a qualquer momento. Minimizar esta discussão é perpetuar uma mentalidade que, em última instância, legitima violações e agressões.

 

"Mas há coisas mais importantes a tratar de momento!". Com o tempo fui-me apercebendo que qualquer tentativa de avanço social é sempre alvo de reparos e ressalvas. Sempre. Ou é porque o timing não é o melhor (nunca é), ou porque se criminaliza o "piropo" e o Ricardo Salgado anda aí feliz da vida (aparentemente não é possível ficar satisfeito com uma coisa e revoltado com outra ao mesmo tempo), ou porque a economia está um caos (como se o cariz social do Estado não fosse igualmente importante). Foi assim com a despenalização do aborto e com o casamento e a adoção homossexual. Para quem não quer dar o flanco quanto a preconceitos, "não é relevante agora" é a desculpa a ter em conta.

 

Eu confesso que também lamento esta lei. Ela não deveria ser necessária. Mas é. Porque está visto que o bom senso não impera na população e, mesmo que ela não resulte, ao menos trouxe um assunto tristemente quotidiano e grave para a discussão pública -- e todos aqueles que foram na cantiga do "ai, o meu piropo!" sem perceberem (ou não quererem perceber) o real alcance desta conversa só estão a mostrar a verdadeira face. Hoje mesmo tive uma enorme discussão com duas pessoas próximas e queridas (homens, claro) sobre este assunto e os argumentos delas na oposição ou minimização deste tema, embora nada de novo para mim, deixaram-me triste e revoltado (e é por situações destas que estou a ponderar abandonar o Facebook).

 

Eu abraço as causas feministas, mas não me posso considerar um feminista. Não consigo. Eu não sei o que é levar com estranhos a despirem-me com os olhos, de ser importunada com "piadas", bocas, apalpões e ameaças nojentas de desconhecidos, de andar na rua sozinha com receio que num minuto poderei estar a ser espancada ou violada. Esta é a realidade das mulheres nos dias de hoje e é isto que se discute.

 

E não que alguém, no alto da sua estupidez e posição privilegiada por ser homem, esteja proibido de berrar um "Oh, boa!" enquanto dá umas risadas junto dos amigos imbecis que aplaudem tamanha "coragem".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30


Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Últimos vendidos


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D