Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Prison Break: um final satisfatório

por Antero, em 02.06.09

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Prison Break: Temporada 4 e The Final Break (telefilme)

Há uma diferença entre Heroes e Prison Break: ambos são entretenimentos descartáveis, com roteiros absurdos, com mais furos que uma peneira e intérpretes entre o fraco e o razoável. No entanto, Prison Break cumpre a sua função de entretenimento descompromissado, enquanto que a série dos heróis torra mais a paciência do que diverte. Depois de 4 anos a acompanhar as peripécias de Scofield e companhia e muitas unhas roídas, chega agora ao fim uma série que já havia passado o seu auge há muito, mas que ainda contou com um final digno, capaz de amarrar todas as pontas e deixar satisfeitos os (já poucos) fãs. Mas o percurso foi tudo menos fácil: depois de uma terceira temporada na corda bamba - e mais curta devido à greve dos argumentistas - o quarto ano começou de maneira trôpega, com a volta de Sarah, com o foco virado para a obtenção de Scylla e com a rocambulesca história de T-Bag a passar por impostor.

 

Aos poucos, porém, a temporada foi engrenando de vez à medida que as mortes se iam sucedendo, Scylla era um objectivo cada vez mais palpável e a Companhia estava presa por um fio. Interessante perceber o funcionamento da mesma (promover a guerra num país e lucrar com a sua reconstrução) e como Scylla mais não era que um projecto revolucionário de gestão de recursos de maneira fluída e implícita na narrativa. Com a Companhia de rastos e a traição de Self parecia que o quarto ano ia atingir um pico há muito não visto na série e o final prometia muito. Mas aí entraram dois factores que fizeram o interesse cair: um externo (a decisão de esperar meses até voltar a ter episódios inéditos) e um interno (a inclusão da mãe dos irmãos). Christina Rose entra de pára-quedas na história, trabalhava com a Companhia, muda as cartas todas, separa os irmãos, afinal já não são irmãos, topa que Sarah está grávida assim do nada, despreza Lincoln, gosta mais de Michael mas mais de poder, morre às mãos da "nora". Não era melhor manter a personagem morta? Até porque a revelação sobre Lincoln não causou o impacto esperado ou alguém duvidava que Michael ia deixar de o ajudar para se aliar à mãe? A presidente Caroline Reynolds tinha muito mais impacto como antagonista. Depois, Self passou a inútil, T-Bag andou perdido até ao último episódio quando confronta Sarah e o regresso de Kellerman e C-Note foi muito forçado.

 

Ainda assim, o final foi satisfatório por resolver todas as questões, compensando os bons e punindo os vilões, mas, principalmente, por matar Scofield. Vai daí, compilam dois episódios num telefilme onde vemos realmente como Michael morreu. E que morte tão sem sal e indigna da personagem. O motivo para Sarah ir presa e, consequentemente, relançar a história é deveras furado: o assassinato de Christina não fazia parte do perdão concedido a ela porque as suas funções na Companhia eram ocultas? A sério? Não se arranjava melhor? Vá lá que conseguiram criar tensão com o facto de Sarah ter permitido a fuga dos demais em Fox River, algo que custou o trabalho a imensa gente, e na nova prisão querem é fazer-lhe a vida negra. Porém, o General a pôr a cabeça dela a prémio foi tosco, as hierarquias das mulheres na prisão são muito cliché e tão... primeira temporada. Até porque o telefilme tem todo o ar de episódio piloto para uma nova série (por sinal, a ideia inicial era mesmo esta). E acaba por desamarrar pontas para as voltar a amarrar da mesma forma. Completamente desnecessário, mas ainda assim divertido.

 

Não me entendam mal: sempre gostei de Prison Break com todos os seus defeitos, situações forçadas, frases de efeito, planos mirabolantes, cliffhangers descartáveis e revelações absurdas. Mas há que ser honesto e perceber que a série durou mais do que devia. A quarta temporada fechou bem a história, mas não dá para esconder o seu tempo já lá ia e que foi esticada mais do que o aconselhável. Mesmo assim, vai deixar saudades.

 

6 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:54

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x12: Connect! Connect!

Este deve ter sido o pior episódio de Donas de Casa Desesperadas em muito tempo. Não aconteceu nada demais e o pouco que aconteceu das duas uma: ou era feito às pressas (como a resolução da prisão de Porter) e nem dava para aquecer (as birrinhas das filhas de Gaby). Parece que tudo correu mal neste aqui. Susan e Edie trancadas na cave foi de morrer; até quando vão utilizar este recurso nas séries para que duas personagens resolvam as suas desavenças? Não é que eu não goste de ver as duas picadas (o calendário das relações da Susan foi uma boa tirada), mas já chega desta competição entre as duas, não? Arranjem coisa melhor. Gaby com as filhas desobedientes, enfim... desperdício de tempo. Bree às turras com o genro por este não aceitar a forma como ela trata Orson e Andrew foi ridículo: então o rapaz só reparou agora que Bree é mesmo assim? Até parece que ela nem tratou mal a sua mãe no episódio passado. Tudo para criar um conflito por causa da casa que não deu em nada. Lynette foi o fim da picada: aquele acidente inventado (absurdo), pegarem na mãe dela e porem-na amuada porque a filha não a visita... por amor de Deus! E por dar tempo de antena a estes equívocos, nem acompanhamos a resolução da detenção de Porter. Bastou a Lynette falar e pronto, está resolvido (embora eu ache que o marido da outra ainda volte a atacar). Dave vai morar com Mike que, devido a marcação cerrada de Katherine, lá admite que está a apaixonar-se por ela, dando-lhe novas razões para o seu plano de vingança ir mais fundo. Totalmente prevísivel. Vamos a ver se o próximo episódio, que é o centésimo e que promete, recompensa esta perda de tempo. Oxalá não me engane.

3 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x12: Benefits

Não soubemos nada da Mãe, mas também não foi preciso. Neste óptimo episódio, Ted e Robin decidem tornar-se amigos coloridos e desatam a dormir juntos para não terem de discutir sobre questões da partilha da casa. E o que parecia ser uma história centrada no casal, na verdade tornou-se sobre o desespero de Barney que finalmente se deu conta que nutre sentimentos por Robin. E as suas reacções foram hilariantes: desde as televisões destruídas, à casa limpa e onde não faltava nada, passando pela sua contenção ao ouvir os relatos de Ted (awefsome! awesful!), Barney foi mesmo o ponto alto do episódio, mostrando que a série não seria a mesma sem ele nem Neil Patrick Harris no papel. Por outro lado, Marshall desespera no trabalho sempre que quer "ler uma revista" (adoro estas metáforas), numa história engraçada, mas sem grandes consequências. Agora que Ted sabe sobre a paixoneta de Barney por Robin será que lhe vai dizer alguma coisa? Um regresso em grande de How I Met Your Mother.

9 potes de banha

 

Aproveito este espaço para escrever que Prison Break foi cancelado e esta é mesmo a última temporada. Faltam 4 episódios para exibir a partir de 17 de Abril (uma Sexta-feira, o que demonstra a pouca confiança da Fox na série e um admitir de culpa das péssimas audiências), mas não está descartada a produção de mais dois ou três episódios para dar um final digno à série. Sempre fui grande fã da série, mas, sinceramente, tenho de admitir que o seu tempo já lá vai e a história já foi esticada mais do que podia. Vai deixar saudades, é certo.

 

E para a semana, dia 21, estreia a muito aguardada quinta temporada de LOST! Ansiedade pura!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17

Este já vem com uma semana de atraso, mas com o trabalho todo que tive a semana passada nem tive tempo de escrever as resenhas dos episódios. Porém, e como esta semana só há mesmo episódio inédito de Prison Break e aproveitando o facto que estou de baixa devido a uma valente gripe que teima em não desaparecer, junta-se as duas semanas numa só e ficamos entendidos.

 

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

 

Heroes 3x13: Dual

Final do volume 3 da série e, mais uma vez, um fraco desfecho: tudo feito às pressas para encerrar os inúmeros arcos (ou melhor, buracos) levantados nos últimos episódios. Ando testa a fórmula e consegue o poder de potenciar as habilidades de quem lhe toca, o que aliado à super-velocidade de Daphne, é o que basta para resgatar Hiro do passado, numa solução tão infantil e frouxa, embora eles se defendam com teorias de Einstein (que, realmente, referiu que ultrapassando a velocidade da luz talvez fosse possível viajar no tempo, mas para o futuro e não para o passado). Continuando... Sylar deve ter ido ao cinema ver a saga Saw e enfia Claire, Noah, Meredith e a mamã Petrelli no edifício da Pinehearst para fazer joguinhos psicológicos com eles. É bom ver o Sylar vilão de volta, mas estes jogos, sinceramente, que estupidez! Não seria mais fácil ir directamente ter com as pessoas e matá-las? Claro que se deu mal, mas eu aposto que ele não morreu. Se Sylar morre, Heroes acaba de vez. De resto, o laboratório onde Arthur (onde parou ele?) queria implementar a fórmula é destruído, Peter recupera os poderes e salva o irmão (ou melhor, o poder, pois fiquei com a impressão que ele voou dali porque adquiriu o poder de voar de Nathan, o que até faz bastante sentido, mas não me admirava nada que Heroes viesse a contradizer isto no futuro) e Nathan, ingrato, vai ter com o presidente dos EUA (que é negro! Viram como Heroes é actual?) com uma proposta de caça e vigilância aos seres super poderosos, naquela que foi a introdução do volume 4, Fugitives. Ou seja, um plágio descarado da recente Guerra Civil da Marvel Comics. Um final à altura do restante volume que, supostamente, prometia revirar e melhorar a série depois da sofrível segunda temporada. Agora prometem isso para o próximo ano. Pois...

4 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x11: Little Minnesota

Este que poderia ter sido um episódio estupendo e que prometia tanto no início, afinal revelou-se bem mediano. Com a visita da irmã de Ted a Nova Iorque, Barney arranja maneira de finalmente conhecê-la, uma vez que Ted se recusava a apresentá-los por razões óbvias (e as músicas que Barney cantava a cada postal de Natal da irmã eram geniais). Só que, chegando a irmã, tudo desandou numa batida história para ela provar que já não era a rebelde e sem-noção de antigamente e que já não precisa dos cuidados do irmão. Uma decepção. Toda a parte do bar do Minnesota no qual Marshall leva Robin parece ter surgido do nada (e até nem teve assim tanta piada) e não gostei nada de haver dois núcleos distintos neste episódio. Um episódio razoável, mas How I Met Your Mother pode fazer muito melhor. O final, com o karaoke do Let's Go to the Mall, foi muito bem sacado.

6 potes de banha

 

Prison Break 4x15: Going Under

Neste episódio tivemos a visita de um velho conhecido, nada menos do que Westmoreland, um dos fugitivos de Fox River que morreu durante a fuga. Durante a operação delicada e secreta que os médicos da Companhia fazem ao cérebro de Scofield, este imagina uma conversa com o antigo recluso na qual infere o verdadeiro propósito de Scylla: esta seria o projecto de uma nova e poderosa ferramenta capaz de gerar energia, o que realmente dá outro sentido a tanta procura e a tanta protecção por parte da Companhia, pelo menos em relação à antiga ideia que tínhamos dela ser apenas uma agenda de operações e agentes. A operação parece ter outros fins para além de eliminar o tumor, como tão bem deduz Sara. Lincoln e Sucre dedicam-se a reaver Scylla o mais depressa possível, enquanto Gretchen e Self tentam vendê-la, mas acabam por perdê-la e capturados por Burrows e levados ao General. Ao longo do episódio tivemos várias indicações de que a mãe dos irmãos foi uma agente da Companhia e que também foi sujeita ao mesmo procedimento cirúrgico de Michael. Mahone, mais uma vez a depender da amizade de Felícia, consegue escapar e Sucre abandona a missão, pelo menos por agora. Duvido que fique longe muito tempo.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x16: The Sunshine State

O episódio começou com uma revelação já esperada: a mãe dos irmãos está viva e ainda trabalha com a Companhia. E no final do episódio é ela que é revelada como a compradora de Scylla. Por enquanto ainda não sabemos se ela está a trabalhar para destruir a Companhia ou se trabalha para eles ao recuperar Scylla (como Gretchen foi desconfiando ao longo do episódio). Lincoln agora tem de trabalhar com uma equipa composta por Gretchen, T-Bag e Self e não percebo estes dois últimos. Com tanto agente mais qualificado nas fileiras, o General junta Lincoln a estes três? Gretchen ainda se percebe, pois ela percebe dos meandros do mercado que quer comprar Scylla, mas Self e T-Bag (mesmo que este tenha a desculpa de ser um informador do General) não me entram na cabeça. No final do episódio, Gretchen fica a um pequeno passo de trair todo o grupo, porém arrepende-se, mas é deixada ao abandono ferida. Michael é levado para um quinta onde um psiquiatra lhe tenta fazer uma lavagem cerebral sobre a Companhia e percebemos o verdadeiro propósito da cirurgia do episódio anterior: permitir que o cérebro de Scofield pudesse ser programado para este ser recrutado pela Companhia. Mas Michael mais uma vez se revelou bastante astuto e escapa com uma ajuda final de Sara. Porém, fica com a convicção de que a mãe está viva, o que se vem a confirmar. Prison Break entra agora em férias e ainda não tem data marcada para os últimos 6 episódios.

7 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x10: A Vision's Just a Vision

Gostei muita desta despedida de 2008 por parte da série. Mais uma vez, Dave trocou-me as voltas e o meu palpite inicial estava correcto: ele quer Mike para se vingar do acidente que vitimou a sua mulher e filha no primeiro episódio. Aquelas visões todas quererão dizer que a personagem pode ter redenção, tal como Orson se veio a revelar uma boa pessoa? Susan anda às voltas com o filho que não vê com bons olhos o namoro entre o pai e Katherine. Foi uma excelente solução não pôr a Susan a envenenar o filho contra o casal, no que seria mais uma das suas trapalhadas inconsequentes. Apesar de não se sentir eufórica com a situação, Susan também não deseja nenhum mal à amiga e ao ex-marido, o que é louvável. Gaby, como de costume, torna-se no grande destaque do episódio: com a visão de Carlos de volta, pudemos vislumbrar como ela amadureceu nos últimos anos, quando teve de abdicar da vida de ricaça para cuidar dos seus. Quando metem a orientação sexual de Andrew em rota de colisão com Bree, a série rende momentos hilariantes. Foi o que aconteceu quando ela descobriu o “parceiro para a vida” do filho e decidiu conhecê-lo a fundo, convidando-o para um jantar de família mais o casal de vizinhos gay. Claro que ia dar bronca, porque os vizinhos reconheceram-no de um filme pornográfico e, mais uma vez, vemos Bree a fazer aquilo que ela faz melhor: tentar com que as situações não se descontrolem e revertam a seu favor. Seria muito bom se tivessem mostrado a personagem no clube de vídeo a tentar arranjar a cassete. Lynette é que se afunda cada vez mais e isto não é um defeito: as suas histórias andavam coxas, mas agora ela está metida numa embrulhada que segue à risca aquele chavão de que tudo só tende a piorar. Mentir à polícia e ao advogado, esconder provas de crimes, pagar a testemunhas, tudo para proteger o filho. A partir daqui, deverá ser Lynette a entrar em conflito com Dave, o que poderá levar a que seja ela a descobrir tudo sobre ele.

8 potes de banha

 

Heroes 3x12: Our Father

Muito melhor que os episódios anteriores, esta semi-conclusão do volume 3 de Heroes dá algumas respostas a questões anteriores: Claire passaria a ser o catalisador quando era bebé e tinha acabado de ser entregue a Noah, só que a mãe de Hiro passa este poder para o filho, depois que o do futuro/presente se revela para ela (e recupera a consciência adulta). Só que aí aparece Arthur que lhe rouba os poderes – o que deve perdurar em todo o volume 4, pois Tim Kring já disse que as viagens no tempo vão ser deixadas de lado – mas antes de proceder à reestruturação da fórmula é morto por Sylar, que volta ser o psicopata dos velhos tempos. Esta “morte” de Arthur foi até indigna de um vilão com tanto potencial: um tiro na cabeça e já está. Tudo bem que ele só deve estar “inactivo”, como Claire esteve quando tinha aquele pedaço de vidro espetado na nuca, mas não deixa de ser decepcionante. A grande ideia de Arthur em fornecer poderes às “pessoas certas” era, afinal, criar um exército o que até faz algum sentido. Obviamente, algo dá errado e um dos primeiros soldados a experimentar os efeitos dos poderes deverá revoltar-se. Claro que eu podia dizer que isto é um plágio da história do Capitão América, mas não quero ser intriguista. Ficamos já a saber que outro que vai usufruir disto é Ando que, juntamente com Daphne e Parkman, lá descobriu as revistas do Isaac e, como não podia deixar de ser, lá abriram nas páginas exactas onde tudo ocorria sem se preocuparem em ler o resto (será que mostraria as personagens a ler o fim da revista e os espectadores da série com cara de parvos…?). Elle morreu mesmo e com muita pena minha, pois gosto de Kristen Bell e espero bem que aquela conversa de Claire com o pai mais novo (numa óptima caracterização das personagens 16 anos mais novas, excepto o pai de Hiro) resolva de vez os problemas mimados dela. Uma das poucas coisas que Heroes tem de bom é a relação do núcleo Bennett. A outra é Sylar como vilão e apenas quando toma atitudes inteligentes. O resto é juntar e deitar fogo.

5 potes de banha

 

House 5x11: Joy to the World

Coisas que retive deste aborrecido episódio que levei horas a ver porque, a cada cinco minutos, caía no sono: a paciente gordinha estava grávida, deu à luz e deixou o bebé ao abandono; Cuddy lá arranjou um rebento para adoptar; Treze e Foreman começam a namorar (pfff…); Kutner era um arruaceiro na adolescência e pede desculpas a uma das suas antigas “vítimas” (quem diria, não? Um pamonha como ele…); Wilson manda presentes com embrulhos verdes a House; Chase e Cameron continuam a ser figurantes de luxo. Como se vê, nada de especial aconteceu. Se alguém se lembrar de mais alguma coisa de relevante, pode apontar.

4 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x10: The Fight

Um episódio em que as cinco personagens partilham a maior parte do tempo só pode ser bom. Neste aqui, devido a um empregado do bar McLaren’s que resolve tudo na lei da porrada, Barney e Ted envolvem-se numa confusão pois inventam uma história de terem ajudado o tal empregado numa luta quando tal não aconteceu. No final, quem resolve a contenda é Marshall que, apesar de se mostrar sempre pacífico, já tem uma certa estaleca em lutas com os seus irmãos grandalhões. Ver Robin toda excitada por homens se mostrarem corajosos em lutar foi impagável (e com um pai e um ambiente familiar como ela teve, só podia ser assim) e todas as cenas no jardim-de-infância também foram muito boas.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x14: Just Business

Quanto vale uma reviravolta bem sacada numa série? Um episódio? Dois? No caso de Prison Break parece valer uma temporada inteira: com a traição de Self, a série ganha novo fôlego, pois agora não há dois lados da barricada quanto a Scylla. Agora, vale tudo para cada um atingir os seus interesses. Na primeira metade, tivemos o embate entre Self e Michael pelo último bocado de Scylla, com vantagem para o último. Isto até se traído por mais um desmaio e Self lá lhe rouba o objecto. Gretchen quer livrar a sua família da situação extrema na qual está metida, mas Self, paranóico ao máximo, não aceita vender Scylla a qualquer um. Então, em mais uma reviravolta espectacular, a Companhia compromete-se a ser aliada de Scofield, prometendo que o opera se Burrows recuperar Scylla para eles. Mahone não desapareceu de vez e tenta arranjar ajuda com a sua amiga Felícia, mas com o plano de Scofield a ir por água abaixo mesmo no fim, ele fica desprotegido e à mercê do seu antigo companheiro, o agente Wheeler, que o quer levar a tribunal. Com tanta coisa boa no episódio, o destaque foi mesmo toda a parte T-Bag com o sequestro daquele cristão “porta-a-porta”, por suspeitar que ele era um agente da Companhia. Eu, que sempre desconfiei que ele mentia sobre tudo o que falava, lá fiquei parvo com a redenção de T-Bag em não o matar devido à citação do Salmo. Isto até o cristão revelar-se mesmo um agente da Companhia e capturá-lo sem grande esforço. Fiquei estupefacto. Prison Break segue memorável nesta quarta e trepidante temporada.

10 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x09: Me and My Town

Episódio leve em comparação com o anterior, mas não menos divertido. Susan fica a saber que Katherine e Mike andam juntos e não fica nada contente por saber, não tanto pelo envolvimento dos dois (para já), mas porque Katherine e, principalmente, Bree não lhe haviam dito nada. Compreensível a atitude da Susan e, a partir de agora, deverá haver um afastamento entre ela e Katherine e espero que isso crie grandes problemas às amigas, pois, como já referi anteriormente, a série ganha outro impulso quando as histórias das amigas se cruzam umas com as outras. Bree teve uma história bem simples: não aguentando mais o ressonar de Orson, ela deixa de dormir com ele porque isso afectaria a sua vida profissional. Este decide drogá-la para ela não reparar nos seus roncos, mas num imprevisto (para ele, que eu já estava à espera), ela toma o comprimido antes de uma apresentação pública e é o descalabro. Logo vi que não iriam manter a cegueira de Carlos durante muito tempo, o que até é bom porque referências ao assunto e à atitude de Gaby perante a doença já estavam a ficar batidas. A reacção dela não podia ser melhor: como já não tem o aspecto de uma modelo, decide trabalhar para ganhar o visual de outrora, nem que tenha de sacrificar as refeições das filhas (na melhor sequência do episódio). A parte de Lynette anda muito pesada e, sinceramente, não estou a gostar muito do rumo da mesma. Acho-a demasiado alienada das amigas e a sua atitude de querer encobrir o filho parece uma repetição da Bree que, na primeira temporada, protegeu Andrew quando este atropelou a mãe de Carlos (embora, neste caso, nós saibamos que Porter está inocente e Andrew não estava, o que dava a Bree um caráter menos digno, mas mais benéfico para a série, uma vez que todas elas já tiveram acções condenáveis).

7 potes de banha


Heroes 3x11: The Eclipse (Part 2)

Em mais um tenebroso episódio para a posteridade, tivemos a conclusão do eclipse que, misteriosamente, retirou os poderes a todos e, incrivelmente, o eclipse apareceu e foi embora sem mostrar o seu propósito. Ao final do mesmo, todos recuperaram os poderes. Então para que foi o eclipse? Para mostrar a malta sem poderes? Para criar uma tensão gratuita com as “mortes” de Sylar e Claire? Falando no Sylar, ao recuperar os poderes decide matar Elle numa mudança de personalidade tão tosca, uma vez que ele já havia adquirido os poderes dela através da “empatia” há uns 2 episódios atrás. Então porque matá-la? Porque os argumentistas e produtores de Heroes são burros como uma porta! Tão burros que investem novamente numa briga sem sal entre Claire e o pai, porque este não lhe liga nenhuma. Ela que se decida: ou é determinada ou uma mimada que precisa do pai sempre que alguma coisa lhe corre mal. E ainda quer ela ser levada a sério… Ou talvez ela saiba que, lá no fundo, Noah é um voyeur pervertido que precisa ser chamado à razão uma vez que, no final do último episódio, ele tem a mira apontada a Sylar e Elle, mas acaba por atacá-los depois de ambos terem sexo e já estarem a aproveitar o pós-coito. Claro que o casal conseguiu escapar. No Haiti, os irmãos Petrelli resgatam duas locais das mãos sangrentas do irmão do Haitiano e ainda tivemos o momento Rambo de Peter (que, no fim de contas, já é o filho do Rocky então fica tudo em família). No fim, tivemos mais uma mudança brusca de personalidade quando Nathan decide unir-se ao pai porque, enfim, lá percebeu que nestas coisas os vilões são muito mais divertidos e ele está rodeado de imbecis o pai até é boa pessoa e merece reconhecimento, não obstante ter forjado a própria morte, posto a esposa em coma e ter tentado matar um filho. Tivemos também a possível revelação que Sylar pode não ser filho de Angela e Arthur mas, sinceramente, who cares? O Parkman mais a velocista andam insuportáveis, principalmente depois daquela reconciliação melosa entre ela e o pai. Foi só voltar atrás e despedir-se do velho e, voilá, anos de rancor e mágua que desaparecem. Aquela revelação sobre Isaac ter deixado várias (não uma, foram várias!) edições póstumas foi o cúmulo da estupidez. Mas eles acham que o espectador é assim tão burro a ponto de engolir tamanho buraco? Para abrilhantar o episódio, tivemos direito ao momento "Socorro! Fujam para as montanhas!" com o reaparecimento de Maya e as saudades de Mohinder. Perdoem-me pela extensão do texto, mas Heroes merece ser enxovalhado até à morte.

2 potes de banha

 

House 5x10: Let Them Eat Cake

Algo se passa com House: a série, como um todo, já não prende como dantes, as personagens já não cativam, Hugh Laurie parece cansado do papel, as histórias já não surpreendem tanto, algo que pode ser constatado por esta irregular quinta temporada. Serão sinais de desgaste? O romance não consumado entre Cuddy e House parece que não ata nem desata, embora tenha sido comovente o gesto dele com o escritório dela. Só que o final foi tão, mas tão cliché (Cuddy ia agradecer-lhe o gesto, vê-o com outra no gabinete e decide afastar-se... ooohhhh!). O caso da semana trouxe uma personal trainer, daquelas com DVD's aos pacotes a prometerem dietas e exercícios para queimar calorias em tempo recorde, que na verdade havia feito uma operação de redução do estômago e assim mantinha aquela forma. Só que no final, vai-se a descobrir que é a escassez de doces e de gorduras que a põem doente. Aquela treta do costume: toda a gente mente, um flash e House tem a resposta. Foreman super-preocupado com Treze e o seu tratamento para o Mal de Huntington. Os dois que se enfiem num quarto, façam muitos filhos e desapareçam de vez! Do Foreman até teria saudades, mas dela nem por isso. Ok, ela é bonita. Ok, ela está doente. E?

5 potes de banha

 

Prison Break 4x13: Deal Or No Deal

Mais um episódio de tirar o fôlego que só não foi perfeito devido a duas reviravoltas que eu antecipei logo: a primeira, era a de que Scofield teria retirado uma parte de Scylla e esta ficaria incompleta para funcionar (afinal, ele tem sempre um truque na manga); a segunda, aquele agente que acompanhou os velhinhos (o superior de Self e o senador) ser, na verdade, um agente da Companhia. Aquele grupo tem infiltrados em todo o lado. Ainda assim, foi electrizante ver todos os interessados em Scylla (Companhia, Scofield, Self, Gretchen, Segurança Interna) a mexer os cordelinhos o mais rápido e eficazmente possível para não se deixarem apanhar e retirar os maiores proveitos da situação. Podem apostar que Mahone não fugiu e irá reaparecer quando a cavalaria for necessária. Para terem uma ideia de como Prison Break está óptimo, Gretchen, que sempre achei fraca e inexpressiva (actriz e personagem) ganha uma nova dinâmica nesta temporada com a introdução da sua família (e a reacção da sua irmã ao esbofeteá-la foi impactante). Agora quero ver o ajuste de contas entre Scofield e Self!

9 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:16

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Entourage 5x12: Return To Queens Blvd

Levou uma temporada inteira, mas aquilo que esteve sempre nas entrelinhas acabou por rebentar: Vince descarrega toda a sua frustração em Eric por estar num beco sem saída. Depois de verem Smokejumpers ir por água abaixo, os rapazes regressam a Nova Iorque onde Gus Van Sant se encontra a filmar. Eric, ao contrário do que Ari aconselha, tenta com que Gus dê uma oportunidade a Vince, mas não é bem sucedido. É aí que Vince se revolta como nunca tínhamos visto e discute a sério com o amigo. Acusando uma pressão tremenda, Vince acusa Eric de estar sempre a pressioná-lo e de nunca fazer o que é combinado. Foi engraçado ver o grupo a passear por Nova Iorque a ver a discrepância do ambiente entre NY e Los Angeles. Eric volta para a Califórnia para continuar a carreira de agente, mas eis que, num rasgo de sorte, Gus Van Sant aconselha Vince a ninguém menos que Martin Scorsese para o próximo filme do realizador, o que proporciona as pazes entre os dois e tudo volta ao mesmo. Foi óptimo não deixarem a zanga entre os dois servir como gancho para a próxima temporada e ver que tudo acabou bem, depois de tantas tormentas, é um conforto. A certa altura, Vince diz: "não posso ter outro ano como este". Mas nós podemos! Entourage foi impecável nesta temporada. Agora, só daqui a um ano.

10 potes de banha

Média da temporada: 8.6

 

Heroes 3x10: The Eclipse (Part 1)

A única satisfação que eu tenho de acompanhar Heroes actualmente é de que, com o tempo, a série veio a dar-me razão quanto à sua fraca qualidade. Desisti de acompanhar Heroes no primeiro terço da primeira temporada (algo que viria a retomar um ano mais tarde) e logo ali, no final de 2006, eu apregoava que a série tinha um argumento precário, interpretes fracos e personagens rasos. Reconheço o tremendo potencial da história, mas a mesma é tão mal conduzida que, ao longo do tempo, se tornou um suplício acompanhar a série. A primeira temporada até se viu relativamente bem, mas era mais um guilty pleasure que outra coisa. A partir daí, foi-se o pleasure e ficou o guilty. E se acham que é implicância da minha parte leiamistoe lembrem-se que não é a primeira vez que tal ocorre. Mas promessa é promessa e continuarei a ver Heroes, até porque as resenhas da série são as que mais gozo me dão escrever (hehehe). Aproveitei para fazer esta enorme introdução porque neste episódio não aconteceu rigorosamente nada! É um daqueles episódios fillers, que servem mais de preparação para um grande evento do que avançar com a narrativa, e o tal eclipse do título retirou, misteriosamente, os poderes daquela cambada. E foi só isto. 40 e tal minutos para isto: cenas que podiam ser contadas em pouco tempo foram esticadas ao máximo, como a dos irmãos Petrelli que vão ter com o Haitiano ou da casa da Daphne que, sem poderes, revelou-se paraplégica (ia dizer que era um semi-plágio de LOST, mas sinceramente já nem me preocupo). Mostrando mais um daqueles treinos instantâneos (a Claire e o pai com os pedaços de madeira) que só Heroes oferece aliada à tenebrosa insistência no Hiro com mentalidade de 10 anos, o episódio revelou a total secura de ideias que reina por ali.

3 potes de banha

 

House 5x09: Last Resort

Um pouco mais longo que o normal, o tão anunciado episódio explosivo de House foi bom, mas eu esperava muito mais. Situação de reféns é um cliché tão grande para operar grandes mudanças numa série; então em House torna-se um pouco estranho, até porque a mesma nunca precisou de recorrer a estes artifícios para provar o seu valor. Até agora, o que numa temporada tão irregular como esta tem sido, não é de estranhar (até imagino que o título do episódio está relacionado com o ponto de situação da série actualmente). Jason, depois de esperar muito tempo na sala de espera, decide sequestrar House, Treze e uns pacientes no gabinete de Cuddy para obter um diagnóstico que 16 médicos não lhe conseguiram dar. O que vale é que contar com um actor do calibre de Željko Ivanek dá sempre muito jeito e toda a situação do sequestro foi muito bem conduzida, isto até chegar à parte em que House, na demanda de obter uma resposta para o problema, decide devolver a arma a Jason depois de lhe fazer uma ressonância magnética. Aí o episódio desandou de vez, tornando tudo muito previsível, embora admita que foi mel ver a Treze ser torturada como cobaia (e estava na cara que aquela postura forte iria desabar na última "experiência"). No final, um episódio que prometia mudanças fortes acabou por dar em zero. Excepto se descontarmos que a Treze tem agora uma postura diferente em relação à morte. Mas como ela já nem devia estar na série (em chatice, só perde para os de Heroes), isto só quererá dizer que ela vai andar por aí muito mais tempo. Pobres de nós...

8 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x09: The Naked Man

Episódio muito divertido, por conter uma das coisas mais divertidas na série (na minha opinião): ver o Barney, que é cheio manhas hilariantes para engatar alguém, às voltas com um novo truque para o engate porque viu que ele é bem sucedido com outros. O truque em questão foi o "homem nú", que consiste num encontro normal só que, mais tarde, em casa de um deles, o homem despe-se por completo e, apanhando a mulher de surpresa, terá sexo (quase) de certeza. Barney e Ted não resistem e tentam usar o truque, enquanto Lilly goza com Marshall ao tentar fazer uma lista de 50 razões para ter sexo (Marshall é um sentimental e acha que a única razão é o amor) e Robin recorre ao "homem nú" original para provar que não dormiu com ele por causa do truque, mas sim porque está apaixonada. Divertidíssima a cena em que o "homem nú" diz a Robin que não a quer para nada porque ela é de outro campeonato. O final também foi impagável, com a lição que o truque funciona 2 em 3 vezes. Palpites sobre quem se lixou?

9 potes de banha

 

Prison Break 4x12: Selfless

Minha nossa, que episódio foi este?! Foi, sem dúvida, o melhor episódio de Prison Break desde há muito, muito tempo. A série tem oferecido episódios espectaculares recentemente, mas este aqui bateu todos os recordes de tensão e unhas roídas desde algum ponto da segunda temporada. O tal alarme com que o último episódio terminou estava previsto por Scofield que, assim, pôde capturar e chantagear o General quanto à sua fuga. Como? Sarah captura a sua assistente que, vimos a saber, é a sua filha. Gretchen e T-Bag lidam mal com a espera por Scofield e sequestram todo o andar da empresa GATE, uma situação que é resolvida por aquela secretária/agente do Self (que, no início do episódio, lá se desfizeram dos mafiosos que os tinham raptado). E quando acompanhamos toda a execução do plano sensacional de Michael e companhia, Gretchan e Theodore comseguem fugir, mas este último é capturado pela agente. Tenso do início ao fim, o episódio guardou o seu grande trunfo para os últimos minutos: com Scylla nas mãos de Self e o General arrasado, tudo encaminhava-se para um final de temporada antecipado, mas eis que Self se revela um traidor e quer vender Scylla para quem der mais. O que me levou ao mais sonoro "txiiii, e agora?" desde há muito tempo. É que eu pensava que o Self iria morrer e deixaria o grupo a descoberto. Quem diria que Prison Break ainda nos consegue surpreender após tanto tempo? Episódio magistral!

10 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:36

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x08: City on Fire

De vez em quando, há episódios cujo tema central é uma situação drástica que envolve praticamente toda a população de Wisteria Lane. Foi assim em Bang (o melhor episódio de toda a série) com o sequestro no supermercado e em Something’s Coming com o ridículo tornado que assolou a região. São episódios fulcrais que costumam fechar arcos narrativos, fazem a história andar e, normalmente, abrem novas possibilidades na série. Neste episódio, o mote é a apresentação de banda sénior idealizada por Dave no tal festival de bandas de garagens e, durante a qual, ocorre um incêndio e Dave torna-se num herói por salvar Mike e outros. Agora não tenho mesmo dúvidas que a desavença que Dave tem com Mike é por este ter morto, ainda que em legítima defesa, o irmão do primeiro. Julie está de volta e traz consigo o seu novo namorado quarentão, o que faz Susan pirar de vez. Admito que gosto da Susan, embora o argumento tenda a fazê-la mais infantil e trapalhona do que ela realmente é, e a sua química com Julie é excelente. Impagável a discussão sobre casamentos múltiplos com o “novo” possível futuro genro. Gaby finalmente faz valer a sério o seu papel de mãe e as diferenças que ocorreram naqueles 5 anos ao não deixar que a velhota interfira na educação das suas filhas. Lynette vê-se a braços com a possível fuga do filho coma mulher casada que ele engravidou e, ao agir em desespero de mãe, acaba por propiciar uma cena de violência doméstica. Engraçado como é sempre Lynette a ficar com as histórias mais pesadas (excepção feita ao alcoolismo de Bree e ao abandono de Andrew na segunda temporada). Falando na Bree, a sua parte foi o elo mais fraco do episódio: mais uma vez a viver das aparências, viu-se logo que a jornalista não era aquela víbora e que tudo se resolveria a bem. No incêndio, pensei o namorado da Susan, Jackson, morreria, o que até nem era mal pensado, pois actor e personagem são dispensáveis. Agora com Dave como o herói da vizinhança e com o psiquiatra fora de cena, como será o mistério desvendado? É por episódios assim que vale a pena seguir Desperate Housewives.

9 potes de banha

 

Entourage 5x11: Play’n With Fire

Quem acompanha o Episódios da Semana sabe que Entourage é, regra geral, o ponto alto da semana. Ainda assim, raras vezes lhe atribuí nota máxima e a explicação para isso é simples e a mais elogiosa possível: a série tem uma qualidade tão grande que eu sinto-me obrigado a ser exigente na mesma medida. Porém, este episódio arrebentou com tudo. Descobrimos que Verner nunca quis Vince no elenco de Smokejumpers fazendo-lhe a vida negra nos sets de filmagem, o que proporcionou uma épica (e mais comum do que se pensa na vida real) discussão e durante a qual Vince é despedido do papel. É então que Ari Gold é chamado para socorrer o seu cliente que, em mais uma fabulosa interpretação de Jeremy Piven (o quarto Emmy consecutivo já está garantido!), tenta de tudo para reverter a situação e despedir Verner. Só que no meio de toda a verborreia de Ari nota-se o seu desespero pela situação estar fora de controlo: Verner é intratável com todos e chega ao ponto de suplicar aos executivos a substituição de Vince por Ashton Kutcher! No final, a produção é cancelada e Vince vê o papel que o traria de volta à ribalta ir pelo cano abaixo. O episódio ainda trouxe uma comovente história de Turtle que, desde a altura em que dava os primeiros passos como agente, teve o destaque merecido. Turtle sempre foi o vértice mais fraco do grupo, mas aqui redimiu-se: andando pela cidade com a tal actriz d’ Os Sopranos que conheceu no avião há uns episódios atrás e sem saber nada da batalha travada entre Vince e Verner, ele inicia uma relação sensível com a actriz (ele sabe que não tem estatuto para namorar com ela) e nota-se claramente a amizade que o une a Vince e a fidelidade inabalável que o liga àquele grupo. Episódio fenomenal que deixa uma ansiedade tremenda para o próximo que será o último da temporada. As saudades já apertam.

10 potes de banha

 

Heroes 3x09: It's Coming

Este episódio foi tão fraco que nem sei por onde começar. Que raio de ideia foi aquela de regredir mentalmente Hiro até aos 10 anos? E de onde apareceu aquela revista desenhada pelo Isaac? Do Além? Então Sylar e Elle já eram tão amiguinhos e ele quase que a matava no início da temporada. Amnésia? Não, apenas burrice dos argumentistas e dos produtores. Foi razoável perceber que Sylar absorve os poderes de várias maneiras, só que através da "empatia" leva mais tempo, apesar de não parecer, até porque Heroes mete tudo a correr como naquele treino do Hiro com o pai Nakamura que, à primeira vez que o velho é vencido, Hiro está preparado para a batalha. E todos recordamos muito bem como foi essa "batalha" (com aspas gritantes) que encerrou a primeira temporada, certo? Por falar em batalha, ridículo o embate entre Arthur e a esposa mais o Parkman e a Daphne lá nas mentes de cada um. Afinal, o vilão tem um coração mole e um cérebro de besta porque acabou de dar aos "heróis" uma réstia de esperança para acabar com o seu plano. Incompetente! Tracy vira a casaca e une-se a Arthur assim do nada. Também a personagem já se desvirtuou tanto que a gente já nem liga. Mas nada supera o momento constrangedor em que Claire soma 1 e 1 e chega a 11: ela é o catalisador "guardado" (não perguntem) que concederá novos poderes a novos indivíduos. Lembram-se do eclipse do início da série? Esqueçam. Isso já lá vai. E sabem como Claire descobre isso? Lembrando-se do que Sylar lhe tinha dito no primeiro episódio sobre ela ser "especial". Só que os dois próximos capítulos chamam-se "O Eclipse" e como vai ser? Aparece um sujeito cujo poder é transferir habilidades de humanos para eclipses? E que final foi aquele com "heróis" e "vilões" a fazerem pose preparados para a guerra que se aproxima, embalados pelas narrações sem sentido de Mohinder? Deus nos acuda, esta série é um lixo!

2 potes de banha

 

House 5x08: Emancipation

Neste episódio, as atenções estiveram viradas para Foreman que decidiu aceitar um caso extra, mesmo contrariando as ordens de House. Foi um caso simples de um miúdo que estava a ser inconscientemente sobredosado de vitaminas pelo irmão mais velho. Nada de muito complicado até para não ocupar muito tempo de antena. E tal como o caso da semana que trouxe uma menor emancipada, o que Foreman procurava era emancipar-se da sombra de House. Foi bom ver a antiga equipa a interagir como dantes, o que me irrita ainda mais por saber que os novos assistentes continuam lá. A nova equipa seria óptimo para uma temporada, mas agora já passou o prazo deles (aquela cena em que Taub mente para a paciente com a história da Treze foi péssima). O certo é que a rapariga emancipada mentia a torto e a direito para encobrir a sua situação, o que eu achei excelente até descobrir a verdadeira razão de tanta mentira: ela tinha morto o irmão, o que gerou um conflito interno na sua relação com os pais (mais melodramático seria impossível). Nada de Cuddy durante o episódio, mas tivemos mais um daqueles momentos em que a química entre House e Wilson dá um espectáculo.

7 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x08: Woooo!

Apresentando mais uma das suas teorias sociais (já foram as "pumas", o efeito cheerleader da semana passada, as fases de um encontro romântico, entre outros), o episódio mostrou agora uma rapariga "woooo!", um género de "pita" mais adulta (credo, que expressao foi esta?) que festeja com o seu grupo por tudo e por nada. No fundo, elas são umas falhadas e foi comovente ver a Robin admitir que a sua vida estancou tanto a nível profissional como a nível pessoal. Barney decide levar Ted à sua empresa para que ele projecte o novo edifício da Goliath National Bank e vê-se entre ter de escolher o amigo ou os Sven, um grupo de arquitectos que mais parece uma banda deEurodancesaída dos anos 90. A cena em que eles apresentam o projecto (um edifício em forma de dinossauro que solta fogo) é hilariante. Só mesmo Barney para se deixar seduzir por uma coisa daquelas.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x11: Quiet Riot

Descontando o facto do Self ter ido apanhar T-Bag com uma agente que mal deve saber disparar e, claro, foi apanhado por isso, este foi um episódio bom e trepidante. Principalmente pela longa e detalhada cena em que acompanhamos a invasão ao depósito onde está Scylla, numa cena a fazer lembrar Missão: Impossível. Scofield não vai para o hospital tratar-se para conseguir terminar a missão, mas, sinceramente, a parte que lhe foi destinada qualquer um podia fazer. Pronto, digamos que o rapaz foi inspeccionar a obra e não quis deixar de dar a sua assinatura (hehehe). No fim, um dos alarmes é activado e o pessoal da Companhia está a um passo de apanhar a gangue, mas eu aposto que Scofield previu esse alarme "oculto" e tudo correrá como o planeado (a não ser que lhe dê outra dor de cabeça... ou então, é o tal tumor que já não o deixa raciocinar como dantes e, então, o grupo está lixado!). Gretchen não consegue roubar o sexto cartão porque o velhote já a topou e, no fim, acaba por capturar Self e a amiga. No próximo episódio e a avaliar pelo título do mesmo, será que vamos ter uma morte importante?

8 potes de banha

 

Segundo consta por aí, as séries Eli Stone, Pushing Daisies e Dirty Sexy Money estão canceladas. Não acompanhava nenhuma por isso não deverão fazer falta. A única que ainda dei uma espiadela foi Pushing Daisies e achei extremamente maçante.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x07: What More Do I Need?

Melhor que os episódios anteriores, a começar pelo início em que despacharam logo o conflito entre Lynette e Tom sobre a possível traição deste, evitando uma trama inútil entre o casal. E tempos tumultousos esperam Lynette: o filho envolveu-se com uma mulher muito mais velha, casada com um marido violento e, pior de tudo, consta que a engravidou. No final do episódio fica a dúvida se o filho vai fugir com ela ou se ele irá acompanhá-la para um aborto (foi o que me passou pela cabeça). A parte da Susan foi uma seca, muito insossa aquela treta toda do "temos de nos conhecer melhor", naquela que foi a história mais fraca do episódio. Com Gaby, começamos a perceber o "fascínio" que a velhota ricaça tem pelos Solis, numa trama que também parece não oferecer grandes atractivos (a velha quer fazer parte da família, pfff...). A da Bree foi muito melhor e sempre gosto quando o seu jogo de aparências é ameaçado por qualquer factor externo. Neste caso, foi uma sex tape que, na verdade, era Katherine e Mike juntos, o que já pronuncia um embate entre esta e Susan (com as restantes pelo meio) e já se sabe que o melhor de Desperate Housewives é quando as diferentes histórias das donas de casa se cruzam umas com as outras e elas entram em rota de colisão. Quanto a Dave, Mrs. McCluskey e a sua irmã descobrem que ele é um criminoso em tratamento psiquiátrico, numa pequena confirmação do potencial da personagem (como se não fossemos capazes de perceber isso).

7 potes de banha

 

Entourage 5x10: Seth Green Day

Outro grande episódio nesta fenomenal quinta temporada. Vince vai tirar satisfações com o realizador de Smokejumpers sobre o contínuo apagamento da sua personagem e recebe a resposta que é tudo para que o filme funcione e que Vince não lhe está a dar tudo o que ele exige. No entanto, este é convencido a alinhar nas esquisitices do realizador quando este lhe promete a interpretação de uma vida e como Vince está mesmo desesperado para voltar às luzes da ribalta, sujeita-se a ser rebaixado à frente de toda a equipa. Eric tenta vender a série do seu cliente mais recente, mas o estúdio propõe Seth Green para um determinado papel, o que traz à baila conflitos antigos entre Eric e ele sobre um ex-namorada do primeiro. Toda a parte de Green foi hilariante, principalmente o hiper-desconfortável reencontro entre Eric e a ex-namorada. Ari declara guerra à própria sócia da Agência (numa cena sensacional num clube restrito ao sexo masculino) que se recusa a adquirir o velho amigo de Ari como cliente. Mais um grande interpretação de Jeremy Piven a realçar toda a lealdade do agente para aqueles em que ele acredita (Vince é um exemplo disso).

9 potes de banha

 

Heroes 3x08: Villains

O que dizer de uma série em que o criador vem, pela segunda vez, desculpar-se pela má qualidade da mesma? Uma série que cria uma salada russa de tanta personagem e tramas paralelas que, vez por outra, tem de recorrer a episódios "quase" fechados para explicar as suas próprias falhas? Isto é Heroes no seu esplendor. Esta semana, acompanhamos a jornada espiritual de Hiro que teve de comer excrementos de hiena (juro!) e, vai daí, explica ao espectador muita coisa que ficou em branco. Claro que ele tem o poder de viajar no tempo e no espaço, mas merda de hiena é o que está a dar e assim evita-se que o pobre Hiro (e a nossa paciência, já agora) tenha de correr atrás do prejuízo sempre que muda de tempo e local. Afinal de contas, Arthur Petrelli sempre esteve por trás desta conspiração contra os poderosos e foi atráves da sua esposa que ele não conseguiu o que queria: matar Nathan, o próprio filho. Envenenado por ela e sem controlo sobre o seu sistema nervoso central, ele foi dado como morto por todos. No passado, Sylar, ainda reprimido como Gabriel, é abordado por Elle que fica com peninha dele e já na altura tinha dúvidas sobre a sua função (será ela a mãe do filho loiro dele no futuro?). Como ela se tornou na mimada e impulsiva tempos depois é um mistério, mas nada que não se resolva com outra jornada espiritual regada a bosta de hiena (hei-de bater nesta tecla até ficar sem dedo!). Vimos também Meredith em acção com a Companhia, algo que eu não esperava e que me agradou. Só assim para ela saber como aquela gente é perigosa. No final um grande gancho para o próximo episódio: era bom que Arthur eliminasse de vez Hiro. Depois podiam ir à vida as restantes personagens chatas: Mohinder, Peter (que aqui apareceu com a sua inigualável franja da primeira temporada), Micah, a Google Earth, e demais.

6 potes de banha

 

House 5x07: The Itch

Como seria de esperar, House não quer nem mencionar o beijo furtuito com Cuddy no último episódio. Só que o seu comportamento perante ela começa a alterar-se (não há mais discussões inúteis e brincadeiras infantis) e Wilson tenta arranjar maneira de eles os dois darem uma oportunidade à relação. O caso da semana foi óptimo por fazer uma bela metáfora com o conflito interior de House: uma paciente agorafóbico que sofre convulsões, mas que não sai de casa para ser tratado. Assim como o paciente não enfrenta o seu medo, House também receia o confronto com os seus possíveis sentimentos em relação a Cuddy. A cena em que Cuddy fala sobre como as coisas seriam se eles se envolvessem terminou de forma impagável com a tirada de Wilson logo de seguida. O que é certo é que um relacionamento entre House e Cuddy tem tudo para não resultar e o tal beijo ocorreu em circunstâncias especiais, como ela refere a toda a hora (mas o público quer mesmo é que eles se envolvam, não?). Relegando a nova equipa para segundo plano e dando destaque a Cameron e a Chase de forma mais orgânica à narrativa, o episódio também demonstrou que, dos novos assistentes, o único que vale a pena seguir é mesmo Taub, mesmo que este tivesse pouquíssimas cenas.

8 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x07: Not A Father's Day

Sabendo que Alyson Hannigan, que interpreta Lily, está grávida pensei que este episódio iriam fazer o mesmo à personagem, mas isso não aconteceu (embora tal possa acontecer, segundo o que li por aí). O que não significa que o episódio tenha sido uma perda de tempo: foi óptimo ver Barney comemorar por não ter um filho e decidir instaurar um feriado para a ocasião (daí o nome do episódio); foi engraçado ver Ted, super paternalista, e Robin, descompromissada, a discutirem sobre bebés (apesar da fobia dela ser algo exagerada) e ver Lily com medo da responsabilidade e podre de bêbada também valeu a pena. No fim, vemos como Ted e Robin acabam por morar juntos e será excelente ver como eles lidam com a situação agora que são só amigos. Espero também que voltem à carga com a paixoneta de Barney pela morena, pois tem tudo para dar umas valentes gargalhadas.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x10: The Legend

Tudo bem que a morte de Bellick foi tocante, mas era escusado tanto tempo de antena para o luto, principalmente naquele insípido discurso de T-Bag. É certo que muito mudou desde Fox River, mas ver Theodore debitar aquelas frases é absurdo por vir de quem veio (já para não falar que a firma onde ele trabalha parece a casa da mãe Joana, com um vai vem de pessoas inacreditável, mas ninguém questiona nada!). Outra coisa ridícula foi a resolução da situação da mina que estava a ser trepidante: no fim de contas, era só desligar a corrente geral no quadro que estava mesmo ali ao lado. Mais triste ainda foi perceber que a tal secretária do T-Bag (não me recordo do nome da moça) é uma agente ao serviço do Self e que o número de telemóvel deste é a referência profissional do curriculum dela. Coisas escritas no joelho dá nisto. O que vale é que o resto do episódio compensou e muito: Scofield a braços com um tumor que exige cirurgia rapidamente; Mahone, por sua conta e risco, a ir ter com o "criador" de Scylla; e a já citada sequência da mina, que contou com o auxílio de Gretchen. No futuro, aposto que Michael passará o papel de líder para Mahone. Seria mais do que merecido.

8 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x06: There´s Always A Woman

Este foi outro episódio que eu achei muito abaixo do que a série é capaz de proporcionar. Foi tudo muito previsível: na história da Lynette desconfiada de Tom via-se logo que ele, apesar de ser um egoísta com crise de meia-idade, seria incapaz de traí-la, embora tenha de admitir que o filho envolvido com a mãe do amigo foi uma surpresa (e seria óptimo que Gaby, escaldada no assunto, fosse metida ao barulho); Susan às voltas com o pintor não teve nada demais, bem como toda a parte de Bree com Katherine (eu adivinhei logo que o tipo tinha estado preso com Orson). Com Gaby foi só o começo de mais uma história em que o amor dela por Carlos será fortificado, mas que poderá render bons momentos (como aquela freira irritante da segunda temporada). O que me leva a destacar neste episódio é o mistério da temporada: afinal, a minha previsão pode estar errada. A razão pela qual o marido de Edie se aproxima de Mike é porque o tal polícia que este matou em legítima defesa e cumpriu pena de prisão (lembrem-se da primeira temporada) era o irmão dele. Só pode ser isto! Nos próximos episódios, devemos ter um envolvimento entre Mike e Katherine (já estou a ver a Susan às voltas com isto) e esperar uma maior participação da comediante Lily Tomlin como a irmã de Mrs. McCluskey.

6 potes de banha

 

Entourage 5x09: Pie

Depois de Vince conseguir o tão almejado papel em Smokejumpers seria de esperar que tudo corresse bem e a série desse uma relaxada. E assim foi: o episódio focou-se mais em Vince e Ari e menos no restante grupo. A rodagem do filme tem sido tudo menos um mar de rosas: o protagonista Jason Patric (a brincar com a própria fama de actor difícil) faz de tudo para ter todas as atenções, até roubar diálogos de Vince e o realizador parece não estar preocupado nem com o próprio filme. Ari reencontra um velho parceiro dos primeiros tempos de agente em Hollywood que está na miséria e decide ajudá-lo, propondo-lhe uma parceria. Não sei onde esta história de Ari pretende chegar, mas acredito que o mesmo ainda se vai dar mal. Mesmo com um episódio inferior ao calibre que a temporada nos vinha mostrando, Entourage mostra que continua em boa forma.

8 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x06: Happily Ever After

Depois de ser abandonado quase no altar por Stella, Ted tenta mostrar aos amigos que ele está bem apesar dos acontecimentos recentes. Os amigos tentam de todas as maneiras que ele extravase a sua raiva e, após encontrarem Stella num restaurante, exigem que ele vá falar com ela e lhe diga o que vai na alma. Episódio muito bom por conseguir reunir todas as personagens na mesma história, fazendo da interacção delas o seu ponto alto. Todos os flashbacks foram óptimos, principalmente o de Robin, cujo pai aristocrata a tratava como se ela fosse um rapaz. Impagável a cara do homem quando diz “Meu Deus! Eu não tenho um filho.”. No final, a questão Stella fica resolvida de vez e voltamos à estaca zero quanto à mãe do título.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x09: Greatness Achieved

Prison Break não deverá passar desta temporada e, se assim for, a série caminha para um final espectacular. Como já relevei anteriormente, torcia pelo Bellick ser a tal personagem importante a morrer e acertei. Deambulando pela série há demasiado tempo, Brad teve um final digno ao sacrificar-se para que a busca de Scylla possa continuar. Finalmente, tivemos o tão esperando confronto entre Mahone e Wyatt e este não decepcionou, com o primeiro a matar o segundo e a obter a sua vingança pelo homicídio do filho. Entretanto, Gretchen vai até à sede da Companhia também para obter vingança do seu cativeiro e acaba por, aparentemente, aliar-se àqueles que já serviu um dia. Aparentemente, porque eu acho que ela está a fazer jogo duplo e que, mais tarde, irá tramá-los. Enquanto isso, Scofield piora a olhos vistos do possível tumor que Sara e Lincoln já comentaram, o que me leva a pensar se Michael não poderá morrer no final da série, o que seria uma decisão corajosa. Tenso do início ao fim, o episódio tem momentos dignos do melhor que a série já ofereceu.

9 potes de banha

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Episódios da semana #8 (19/10 a 25/10)

por Antero, em 24.10.08

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x04: Back In Business

Há muito tempo que isto não acontecia, mas de todas as donas de casa a melhor história é a da Bree: dividida entre a carreira de sucesso, o marido, a sócia e as amigas, ela é - para já - o grande destaque da quarta temporada. Lynette tenta aproveitar a onda de sucesso da amiga sem grandes resultados e o seu discurso final foi meio óbvio, porém tocante (quantos de nós nunca se sentiram assim?). Gaby continua a ter as partes mais engraçadas da série: todas as situações do sexo explicado aos mais jovens foram hilariantes, principalmente quando a filha mais nova berrou aquela palavra. E agora eu ponho as mãos no fogo em como o marido da Eddie quer chegar-se ao Mike devido àquela mulher e bebé que morreram no acidente de carro que despoletou o divórcio dele com Susan. Falando nela, as suas cenas foram engraçadas, mas apenas isso. Agora com o Mike vizinho dela, as coisas devem aquecer bastante.

7 potes de banha

 

Entourage 5x07: Gotta Look Up To Get Down

Com a morte inesperada de Alan, o executivo que só queria ver Vince longe, Ari é convidado para o suceder, o que faria com que ele pudesse dar a Vince qualquer papel em qualquer filme. Por outro lado, deixaria de ser seu agente e, com o tempo (e ambos sabem disso), cada um seguiria a sua vida. Entretanto Vince é convidado para uma sessão fotográfica e, para não variar, fica vidrado na modelo que seria a sua parceira. Ela é dispensada e ele tenta chegar até ela, mas vai encontrar resistência do fotógrafo da campanha que é, ao mesmo tempo, quase um "tutor" dela (e o final desta história é imprevisível e fenomenal). Eric é assediado por uma modelo que o pica com o facto de ele ser baixo, mas que quer que ele a represente. Outro excelente episódio e já só faltam cinco para acabar a temporada.

9 potes de banha

 

Heroes 3x06: Dying Of The Light

Com mais furos que uma peneira, Heroes segue a sua cruzada de testar a paciência do espectador. A série, pura e simplesmente, não arranca: é um tédio ver Parkman e a sua tartaruga a não fazerem nada (excepto dizer a Daphne que se vai casar com ela mal a conhece!), é uma chatice acompanhar Hiro e Ando em busca sabe-se lá do quê (e a forma como Hiro deu a volta à situação da morte do amigo foi engraçada, mas como ele conseguiu "congelar" a Daphne que parecia imune a isso?) e - lá vamos nós outra vez - Mohinder é insuportável! A cena do sequestro de Claire bem como a roleta russa foi previsível, mas já foi alguma coisa; Peter e Sylar à porrada durou pouco; e a relação do tal símbolo da Pinehearst com o ADN foi tão, mas tão óbvio. Ao menos já despacharam a personagem chata do Adam Monroe que teve o seu puder sugado por Arthur Petrelli (e como esse poder era a imortalidade, nada mais simples que tornar-se pó). Curioso que os poderes do triângulo familiar Arthur/Peter/Sylar seja o de transferência de poderes de terceiros, embora de maneiras distintas e com resultados diferentes. Finalmente, um rasgo de originalidade na série. Mas não chega.

4 potes de banha

 

House 5x05: Lucky Thirteen

Esta semana, House conseguiu a proeza de ser pior que Heroes! O episódio andou à volta da Treze e da sua, digamos, "vida dupla", até que uma desconhecida, com quem ela passara a noite, adoece e vai parar ao hospital. É então que a vida social e a vida profissional da Treze entram em conflito, e como ela está doente, quer mais é aproveitar o que lhe resta, ou seja sexo, drogas e por aí vai (pfff...). Aborrecido como poucos, o episódio teve como méritos o regresso da dinâmica entre House e Wilson e o final, com a revelação de Cuddy. A personagem da Treze é o exemplo máximo que os novos pupilos nunca irão atingir o carisma da antiga equipa e esticar a suas participações ao máximo é um erro crasso (o único que ainda se aproveita é o Taub), contribuindo para isso a prestação insossa da actriz Olivia Wilde. O caso da semana também deixou muito a desejar; ainda tivemos o regresso do tal detective chato; e a tão publicitada cena de sexo lésbico não tinha nada de escaldante que já não tivessemos visto noutras paragens. Incrível a irregularidade desta quinta temporada, cujos episódios são capazes de ir do 8 ao 80.

3 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x05: Shelter Island

E pronto! Stella não é mãe dos filhos de Ted, o que me agradou imenso. A sua despedida também foi boa, praticamente abandonando Ted no altar e deixando o grupo com um problema nas mãos (como irá Ted reagir?). Barney lá se virou novamente para Robin e a maneira como ele engendrou o plano foi óptima (numa cena parecida com o que se vê no filme Uma Mente Brilhante). Após incontáveis episódios, Robin teve o destaque merecido e não desiludiu: a conversa em que ela desaconselha Ted a casar foi excelente e até se notou um interesse da parte dela em resguardar-se em Barney depois da discussão com o ex-namorado. O episódio também foi fértil nas referências à continuidade da série (a chuva, o zitch dog, os filhos loiros, Lilly stressada com o casamento) e manteve o ritmo de gargalhadas sempre no pico.

9 potes de banha

 

Prison Break 4x08: The Price

Prison Break parece mesmo disposta a calar os críticos que dizem que o seu tempo já lá vai. O episódio desta semana foi electrizante, a lembrar os melhores momentos da primeira e da segunda temporada. Roland, o tal chinoca imbecil e que já fez a sua parte, foi morto sem dó nem piedade por Wyatt, que depois levou uns sopapos de Mahone. A sequência do plano para adquirir o sexto e último cartão foi excelente e cheia de tensão, só foi pena aquele flashback desnecessário no início para explicar o plano (que nem era nada complicado). Gretchen quer fazer as pazes com Sara e dá-lhe direito a 5 minutos de chicotadas e, nesta parte, acabámos por ter detalhes de como Sara escapou do cativeiro. Aliás, é impressão minha ou a Gretchen está cada vez menos irritante? Será da actriz ou da personagem? O certo é que ela vai passar a perna a Scofield e companhia, só que não deverá contar com a traição de T-Bag que, sempre com poucos recursos, lá arranja maneira de dar a volta. Vê-los todos unidos mas no fundo a tentar espetar uma faca nas costas uns dos outros e a salvarem a pele sempre rendeu óptimos momentos. E já está prometido que no próximo episódio morrerá uma personagem importante. Estou a torcer pelo inútil do Bellick.

9 potes de banha

 

E depois deste longo texto, um aperitivo: o trailer legendado da quinta temporada de LOST, que estreará em Fevereiro de 2009 e eu mal vejo a hora!

 

 

Já dá para ter uma ideia para onde foi a Ilha, não?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30


Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D