Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tarantino vintage

por Antero, em 04.09.09

 

Depois do menor À Prova de Morte, Quentin Tarantino volta em grande estilo com Sacanas Sem Lei, um cocktail de referências cinematográficas, personagens brilhantes, diálogos espirituosos (imagem de marca do realizador) e verdadeiras sequências conduzidas com mestria. Muitos acusam Tarantino de se perder em milhares de citações e diálogos que, apesar de maravilhosamente escritos, pouco ou nada acrescentam à história e, de certa forma, foi o que aconteceu no seu filme anterior (e, num grau menor, em Kill Bill: Volume 2). Cada filme dele não é mais do que um exercício de estilo, onde toda a sua cultura cinematográfica surge como uma celebração de géneros menores do Cinema, como a blaxpoitation, o western spaghetti, filmes chineses de artes marciais ou a escola do terror italiano. Sacanas Sem Lei não é diferente: apesar de ambientado na 2ª Guerra Mundial, ele está mais próximo de um western do que o comum filme de guerra, dando a Tarantino mais uma oportunidade para ele esbanjar o que tem de melhor.

 

Em 1944, quando a Alemanha Nazi já perdia terreno para os Aliados, um grupo de judeus soldados dedica-se a matar, com requintes de malvadez, todos os nazis que se cruzam pelo seu caminho (todos excepto um que deverá passar a palavra e... ser marcado). Este grupo une-se à actriz e agente infiltrada alemã Bridget von Hammersmark numa missão para destruir os lideres do Terceiro Reich. O plano passa pela estreia em França do filme de propaganda Orgulho da Nação, cuja sala de cinema está na posse de Shosanna, uma judia que tem contas a ajustar com o cruel Coronel nazi Hans Landa, um militar de bons modos, mas profundamente sádico e eficaz.

 

Longe de querer ser um relato fiel de acontecimentos da 2º Grande Guerra, Sacanas Sem Lei é uma delirante crónica sobre um episódio que nunca ocorreu, algo constatado pela irreverência com que figuras como Hitler e Goebbels são tratados. A Guerra é um mero pretexto para que Tarantino faça um novo western, uma nova história de vingança e uma grande homenagem ao Cinema. A 7ª Arte surge aqui nas suas variantes de escapismo (Shosanna), progragandista (a obra que relata os feitos heróicos de um soldado nazi), catártica (toda a sequência final) e várias são as referências a filmes e personalidades da época, onde se destaca uma piada envolvendo o estatuto de Louis B. Mayer e David O. Selznick aplicado a Goebbels.

 

No entanto, o que mais agrada é o profundo respeito de Tarantino pelo espectador: quando uma personagem decide alterar o idioma de um diálogo que mantém com outra para o Inglês, poderíamos supor que o filme estaria a render-se aos gostos do público médio norte-americano que abomina obras que não seja faladas na língua Inglesa. Porém, essa mudança vem no seguimento da própria estratégia da personagem, numa contextualização brilhante de uma solução fácil por parte do realizador. Falado em quatro idiomas, Sacanas Sem Lei conta com um elenco surpreendentemente coeso, onde cada elemento fala a sua língua natal, e os diálogos revelam-se menos prolixos do que o costume nas últimas obras de Tarantino, uma vez que cada informação desempenha, mais cedo ou mais tarde, um papel importante na narrativa.

 

Realizando o filme com imensa segurança, Tarantino brilha ao encenar três sequências fulcrais: a inicial, o desenlace na sala de cinema e a longa sequência do bar na cave. Nesta última, o director cria um ambiente de tensão crescente sem deixar o tom descompromissado de lado, o que deixa o espectador num estado de alerta constante (embora o filme deixe claro que nunca deverá ser levado a sério). Onde o realizador falha é em alguns exageros na violência pouco estilizada e que persegue mais o choque, como se ele tivesse trocado de lugar com Eli Roth, realizador do péssimo Hostel e aqui convertido em actor. E por falar em actor, há que fazer todas as vénias do Mundo a Christoph Waltz que brilha a grande altura como o articulado Coronel Landa que, com a sua atitude simpática e requintes de malvadez, cria um dos grandes vilões da década.

 

Prazeroso de assistir e ainda mais de ouvir, Sacanas Sem Lei é um regresso à boa forma por parte de Tarantino, com uma ode ao feminismo (é em Shosanna que o filme começa e para onde ele converge), repleto de violência, e com uma excelente banda sonora; três tópicos já recorrentes na carreira do realizador. Só mesmo Tarantino para fazer uma comédia negra com o Nazismo como pano de fundo.

 

Qualidade da banha: 18/20

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42

Contém spoilers!

 

A minha caraGuirelembrou-me um filme que vi recentemente e que me deixou desfeito. Literalmente. O Rapaz do Pijama às Riscas é o seu nome. Muita gente não sabe, mas eu sou um completo lingrinhas a ver filmes. Quando um filme me toca lá no fundo, solto a Maria Amélia que há em mim e lá vai lágrima. Pena é que poucos filmes atinjam esse estatuto. Mas quando o assunto é o Holocausto e o drama é tão bem construído como neste fabuloso exemplar, está o caldo entornado. Ainda hoje não consigo perceber como a Humanidade foi capaz de algo tão atroz (embora não seja um exemplo isolado, infelizmente).

 

Mas o certo é que O Rapaz do Pijama às Riscas não parecia caminhar para me deixar aos prantos. Mas deixou. Muito. Filmes sobre o Holocausto há aos pacotes. Bons e maus. Mas este, que celebra algo como a inocência das crianças e o valor da amizade, parecia ser mais uma peça razoável sobre um tema vastamente explorado. Isto até chegarmos aos 10 minutos finais que, numa resolução rápida e impactante, apanhando o espectador desprevenido, gera um momento de angústia tão profundo que dei por mim completamente lavado em lágrimas. Depois temos a maravilhosa composição de James Horner, indivíduo cujo trabalho não me aquece nem me arrefece, mas que aqui atinge um equilíbro assustador entre os diferentes temas abordados no filme (numa banda sonora já adquirida por mim). E temos Vera Farmiga que, cada vez mais, se revela uma senhora actriz. Já faz parte das minhas preferências, juntamente com Kate Winslet e Jennifer Connelly.

 

Com vocês, o final d' O Rapaz do Pijama às Riscas. Quem viu, que reveja. Quem ainda não viu, que passe bem longe. Vão estragar uma bela experiência.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:53


Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D