Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Game of Thrones: uma chatice sem fim

por Antero, em 06.06.12

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Game of Thrones: temporada 2

Insultem o quanto quiserem, mas esta segunda temporada foi um aborrecimento terrível. Só para clarificar: eu não li os livros, não sei o que está igual, diferente ou foi adaptado, acredito que não seja fácil a transposição para o pequeno ecrã, mas Game of Thrones é uma série de televisão e é na televisão que tem de funcionar. Trazer as obras literárias para a discussão não faz muito sentido, uma vez que é pelo produto televisivo que aferimos se o trabalho final resultou ou não. Infelizmente, este segundo ano até me fez sentir mal por ter reclamado tanto datemporada anterior: a série é bem-feita, linda, cara, é da HBO, carregada de hype, promete o mundo, mas simplesmente não cumpre.

 

Tudo o que eu criticara antes tomou proporções gigantescas: excesso de personagens e falta de foco da narrativa. Há que dar tempo a todas em cada episódio e isso dilui o impacto dos acontecimentos. Quando a história começava a empolgar, saltavam para outro candidato ao trono e assim sucessivamente. O pior é que cada uma das narrativas paralelas parecem caminhar para lado nenhum: se já não suportava Jon Snow, vê-lo a deambular pelas montanhas com a sua patrulha atingiu o ponto de saturação. Ou Robb Stark muito revoltado com a mãe (outra que não serviu para nada) e a descobrir o seu amor por uma enfermeira. Ou então ver o chato do Theon a regressar a casa e a ter de provar o seu valor ao conquistar Winterfell. E sexo, muito sexo! E violência, muita violência! Se limassem estas cenas e desenvolvessem as personagens, talvez não fosse tão entediante.

 

O mais deprimente, porém, foi ver o que fizeram com Daenerys, cuja trajetória emocional havia sido um dos destaques do ano anterior que, não por acaso, encerrava com uma cena importante envolvendo a pretendente ao trono e os dragões recém-nascidos. Seria de supor que ela ganharia mais relevância, certo? Errado! Ela não faz nada a não ser andar de um lado para o outro com a lengalenga do "sou a verdadeira Rainha e preciso do vosso apoio que depois pago em dobro, juro pelo meu sangue e pelos deuses XPTO e dos que virão!" e, pelos vistos, o seu arco resume-se a arranjar um barco para uma travessia qualquer. E já não há palavras para qualificar a tremenda lata dos produtores em usar os White Walkers para atiçar os espetadores: ora, depois de abrirem a série com eles numa cena impressionante, nunca mais foram mencionados até ao final da primeira temporada para serem sumariamente esquecidos até aos últimos minutos do segundo ano. E o que dizer do delicioso Jaime Lannister que, tudo somado, deve ter aparecido por uns 5 minutos?

 

Por outro lado, houve histórias que conseguiram contornar estes defeitos: as partes de King's Landing com os Lannisters e as de Arya com o patriarca deste clã davam continuidade às intrigas políticas e ao clima de ambiguidade que marcaram o ano anterior, mas também sofriam do ritmo apressado e do pouco tempo de antena a que tinham direito. Não é de admirar, portanto, que o nono episódio, Blackwater, viesse como um bálsamo para as minhas queixas: focado unicamente no ataque a King's Landing e ao reinado de Joffrey, este capítulo demonstra que a solução ideal passa por incluir uma ou duas narrativas distintas em cada episódio para que o ritmo seja mais fluído e nos possamos envolver no drama das personagens (além de que foi realizado pelo talentoso Neil Marshall que imprime o tom épico que tanto faltou na restante temporada).

 

Resta esperar que o próximo ano faça justiça às expectativas, já que este falhou em toda a linha. Game of Thrones ainda tem de comer muita sopinha se quiser ser mais do que uma porreira, mas sobrevalorizada, série.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:47

A Guerra dos Tronos

por Antero, em 10.07.11

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Game of Thrones - temporada 1

Game of Thrones, o épico da HBO baseado no primeiro dos livros de fantasia de George R. R. Martin, As Crónicas de Gelo e Fogo, é uma boa série, mas não é a grande série deste ano (cargo esse que pertence à minha amada Fringe). Com tanto alarde por parte dos fãs e críticas positivissimas de todos os lados, não há como evitar uma ponta de desilusão. Há personagens e histórias paralelas a mais para tão poucos episódios (apenas 10) e a tarefa não é facilitada para quem não está familiarizado: quando começamos a perceber as ligações entre eles, quem é o quê, quem fez o quê, quem matou quem, a temporada simplesmente acaba. Há todo um clima de preparação para a ocorrência de algo grandioso e nunca somos devidamente recompensados. Tomem como exemplo a morte de Ned Stark, um dos protagonistas da série (excelente Sean Bean): acontece no penúltimo episódio e é daquelas coisas que vai abalar todos os núcleos, nomeadamente os familiares. Chegamos ao último episódio e em vez de uma resolução épica que nos levará para a próxima temporada, temos apenas uma introdução do que acontecerá mais à frente. Isto ocorre praticamente em todos os episódios.

 

Houve capítulos que me chegaram a irritar: o filho mais velho da Casa Stark decide criar um exército. Chega a mãe que o questiona: "filho, tens a certeza que queres criar um exército?". Os colegas preparam-se: "o filho de Stark vai criar um exército!". Os inimigos acautelam-se: "cuidado, o filho de Stark vai criar um exército!". Irra! E fica-se pela criação, já que a execução vem no próximo ano. Os filhos mais velhos de Stark, diga-se de passagem, passam a maior parte da temporada em branco e os actores que lhes dão pele também não fazem muito para os tornar mais interessantes. As partes da Muralha, com Jon, o filho bastardo, são uma chatice à parte: tendo de mostrar o seu valor, o guião até lhe dá um companheiro gordinho e desprezado por todos para revelar a boa índole do rapaz – e, para mal da série, o tempo reservado a estas personagens é completamente desnecessário, já que a Muralha só ganha o devido destaque lá para o final quando, do nada, a Patrulha da Noite decide enfrentar os White Walkers que deram as caras no início do primeiro episódio e cuja história é resgatada apenas no último episódio. Simples assim.

 

A passagem do tempo é outro problema: as coisas acontecem com tanta rapidez que dá a impressão que tudo ocorre em poucas semanas. Aí a Daenerys engravida do marido brutamontes e leva a gestação quase até ao fim – e estes súbitos saltos no tempo apanham o espectador desprevenido. A duração dos treinos na Muralha (que, deduzo, deve ser muito) também não fica bem clara. E que dizer do tal "inverno" que toda a gente anuncia e nunca mais chega? O mais estranho é que eu percorro a Internet a ler críticas dos episódios e só leio comentários do género "nos livros isto, nos livros aquilo..." e eu, que não os li nem sequer os conhecia, acredito que lá seja melhor explorado e explicado, mas no pequeno ecrã fica corrido demais. E quando fica bom, acaba, adeus e até à próxima.

 

Deixando o azedume de lado, convém dizer que Game of Thrones impressiona nos aspectos técnicos, ainda para mais numa produção televisiva. Também gosto da violência explícita da série, perfeitamente de acordo com a brutalidade daquela era: ela não choca por chocar e tudo – desde decapitações, mortes com ouro fundido, incesto, violações e crianças de oito anos a mamar nos seios da mãe (a sério, que trauma!) – está devidamente contextualizado. Além disso, o argumento faz bem em relegar a fantasia para segundo plano e apostar nas relações entre as personagens, as intrigas políticas e questões como honra, traição e amizade – e os diálogos, na sua maioria, são escritos e debitados com imensa elegência e cinismo. Também é de realçar o destaque dado às figuras femininas e à exploração de mulheres fortes (ainda que condicionadas pela aquela sociedade extremamente masculinizada), desde a manipuladora Cersei Lannister à compreensiva e astuta Catelyn Stark, passando pela rebeldia de Arya e acabando na corajosa Daenerys, cuja trajectória emocional é um dos pilares da série. E não há como deixar de elogiar o talentoso Peter Dinklage como o anão Tyrion, um sujeito que compensa a sua falta de estatura com uma inteligência e perspicácia que o tornam num aliado valoroso ou um inimigo a temer (ainda que a sua personagem não tenha o devido destaque, algo que deverá ser corrigido no futuro).

 

Sem medo de apostar na morte das personagens principais, num seguimento do lema "ninguém está a salvo", e em personagens que antes eram meramente secundárias como seguimento lógico da narrativa, Game of Thrones promete muito para a segunda temporada e eu acredito que pode vir a cumprir. E aí poderá ser a série do ano. Do ano que vem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18


Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D