Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pesadelo no mundo da magia

por Antero, em 20.11.10

 

A saga Harry Potter é um pequeno milagre nas grandes produções de Hollywood e não é preciso gostar da mesma para reconhecer méritos como a consistência mantida ao longo de sete longas-metragens, seja no núcleo de actores ou na condução da narrativa. Num meio em que a qualidade do produto é muitas vezes sabotada em prol do lucro fácil, é um regalo ver como a saga trata com imenso respeito os livros de J. K. Rowling bem como os espectadores que investiram tempo e dinheiro a acompanhá-la. Obviamente há obras melhores que outras, mas não há um exemplar realmente mau e a coesão desta extensa jornada é um dos pontos fortes das adaptações cinematográficas que, não por acaso, começaram de forma infantil (e isto não é um defeito) e, aos poucos, foram evoluindo para terrenos mais ambiciosos e sombrios. Harry Potter e os Talismãs da Morte: Parte 1 é o culminar desta evolução: nunca os nossos heróis estiveram tão perto do perigo e em constante conflito interno, nem o Mal esteve tão próximo de atingir os seus intentos.

 

Após a morte de Dumbledore emO Príncipe Misterioso, Lorde Voldemort e o seu exército obtém o controlo de Hogwarts e do Ministério da Magia. Não é só o mundo mágico que está ameaçado e os Devoradores da Morte patrulham o mundo dos muggles em busca de Harry. Este, Ron e Hermione decidem terminar o trabalho de Dumbledore e encontrar os restantes horcruxes (objectos nos quais a essência de Voldemort ficou aprisionada) para derrotar o senhor das trevas. Assim, partem numa missão arriscada e desgastante que os levará ao limite das suas forças.

 

Dividido em duas partes por razões claramente comerciais, esta Parte 1 acaba por beneficiar com a divisão, já que dá a oportunidade de desenvolver certas situações e tornar a narrativa menos episódica (algo que afligiu a grande maioria dos filmes anteriores que sacrificavam o desenvolvimento a favor da narrativa). Desta forma, cabe ao trio de protagonistas carregar com o filme às costas e a tarefa revela-se uma tremenda vitória: todos eles se vêm afectados com os acontecimentos anteriores e aquele mundo mágico há muito que deixou de ser uma fonte de alegria e brincadeiras. Neste aspecto, Daniel Radcliffe destaca-se como nunca no papel de um Harry que acusa o peso da responsabilidade de ser o Escolhido e o quanto isso custou àqueles que ele amava (Sirious, Dumbledore) e as consequências que a sua missão tem naqueles que o rodeiam, ao passo que Rupert Grint abandona o cargo de alívio cómico renegado a Ron e adopta uma postura mais explosiva, digna de alguém que se cansa das tragédias que passaram a pontuar a sua vida e os seus.

 

No entanto, é Emma Watson que demonstra um colossal avanço dos filmes anteriores, recheando a sua Hermione de detalhes que a tornam ainda mais interessante. Longe da marrona de outrora, Hermione tenta sempre manter o controlo em ocasiões desesperadoras, mas vai esmorecendo aos poucos com o passar do tempo e a falta de progresso da missão (a sua entrega ao choro após um teletransporte é comovente). Neste particular, Os Talismãs da Morte: Parte 1 é eficaz ao retratar o isolamento e o cansaço em planos amplos que descortinam a tenda do trio como um ponto minúsculo no mapa e muitos serão aqueles que reclamarão da falta de acção destes momentos, sem perceberem que poucas vezes em toda a saga houve um desenvolvimento tão denso das personagens, como comprova a sensível cena da dança ao som de Nick Cave que serve como escape para todas as fatalidades que se abateram sobre o grupo.

 

Correctamente mergulhado numa paleta de cores escuras, frias e sem vida (obra do português Eduardo Serra), Os Talismãs da Morte: Parte 1 mais uma vez aproveita o potencial da sua história para fazer alegorias políticas ao trazer o Ministério da Magia tomado por um governo ditatorial que, como sempre acontece, usa os media como meio de propaganda e alienação de massas enquanto reprime a mínima oposição. Isto não é de admirar num realizador como David Yates: habituado a obras de cariz político, ele conduz a narrativa com a fluidez necessária, alternando cenas mais calmas com sequências mais tensas onde o perigo é cada vez mais palpável, das quais se destaca aquela passada no Ministério da Magia que é absolutamente sensacional. Ainda assim, ele não consegue evitar que a história se torne confusa para os pouco familiarizados com a saga, mesmo aqueles que só tenham acompanhado os filmes (por exemplo, a aparição de Dobby pode soar gratuita para alguns, embora isto não aconteça nos livros).

 

Irrepreensível nos seus aspectos técnicos, desde o design de produção (o tribunal com uma arquitectura opressora é um achado) aos efeitos especiais que, de tão bons, quase passam despercebidos, Harry Potter e os Talismãs da Morte: Parte 1 tem o seu calcanhar de Aquiles no desfecho que, ainda que conte com um bom cliffhanger, soa abrupto e anti-climático, uma vez que todas as decisões ficam adiadas para o último capítulo, a ser lançado no Verão de 2011. Fica assim impedido aquele que poderia ser o melhor filme da saga, mas que poderá proporcionar uma óptima sessão dupla no próximo ano e um maravilhoso encerramento para Harry Potter nos cinemas.

 

Qualidade da banha: 16/20

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:09


Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Últimos vendidos


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D