Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sucker Punch - Mundo Surreal

por Antero, em 02.04.11

 

Sucker Punch (2010)

Realização: Zach Snyder

Argumento: Steve Shibuya, Zach Snyder

Elenco: Emily Browning, Abbie Cornish, Jena Malone, Vanessa Hudgens, Jamie Chung, Carla Gugino, Oscar Isaac, Scott Glenn

 

Qualidade da banha:

 

Zach Snyder é o novo menino bonito da Warner Bros.. Eu já tinha esta opinião e o seu mais recente filme, Sucker Punch - Mundo Surreal, veio apenas confirmar esta teoria. Ao lidar pela primeira vez com um argumento original, Snyder mostra o mesmo olhar acertado para planos belíssimos e evocativos que marcaram as suas obras anteriores, O Renascer dos Mortos, 300 eWatchmen(não vi A Lenda dos Guardiões). O problema é que a estética apurada não encontra reflexo na frágil história e que, pecado mortal, revela uma inacreditável insolência nos minutos finais. O que, claro, é uma pena, já que Sucker Punch revela-se uma das apostas mais insólitas e originais vindas do lado mais comercial de Hollywood e tinha potencial para ser mais do que aquilo que realmente é: uma descartável obra na qual fantasias masculinas são personificadas no grande ecrã para deleite da plateia, mas sem um escape emocional que sustente a jornada.

 

Quando refiro fantasias masculinas, não uso o termo por acaso: internada num hospício devido a um acidente trágico após tentar proteger a irmã de ser molestada pelo padrasto, a jovem Baby Doll refugia-se nas suas fantasias para engendrar uma fuga do local, onde será submetida a uma lobotomia em cinco dias. Assim, ela imagina estar a viver num cabaré/prisão e une-se a outras bailarinas (leia-se: outras pacientes internadas) de modo a formar uma equipa para escapar do local. Este plano consiste em várias “missões” que, novamente, são personificadas por outro tipo de fantasias de Baby Doll e que vão desde cenários de guerra, jogos de vídeo que devem muito ao fantástico ou até uma época mais futurista.

 

Sempre vestidas em trajes mínimos, Baby Doll e restantes companheiras surgem como objectos sexuais prontos a satisfazem a libido masculina ao mesmo tempo que são endeusadas pelo efeito que causam no sexo oposto. Num filme que leva a noção de espectáculo ao extremo (a começar pela cortina e o palco que abrem a narrativa, numa reminiscência de Moulin Rouge), certos exageros na caracterização das personagens são até justificáveis. No entanto, isto retira força à história, uma vez que nas variadas sequências oníricas que se referem às missões do grupo nós sabemos que a raparigas não correm perigo de vida, tornando as longas sequências de acção num exercício de estilo meramente sensitivo, algo que atinge o ponto de saturação na cena do comboio futurista, onde Snyder abusa da câmara lenta como se congratulasse a si mesmo por achar-se tão inventivo.

 

Ainda assim, a produção liberta-se sempre que entra na mente de Baby Doll ao encontrar no delírio visual o arrebatamento e a elegância que fazem de Sucker Punch uma experiência extasiante: do mundo “real” cinzento e triste, às cores vivas do cabaré com detalhes que não deixam de ter presente que o local é uma prisão, passando pelas trincheiras da Primeira Guerra Mundial e visões de zepelins e aviões militares, e acabando no castelo do dragão, tudo no filme busca a espectacularidade e a imaginação sem limites, sendo que também é divertido ver como a narrativa flui com as missões que reflectem o que se passa no cabaré que, por sua vez, reflecte o que se passa no hospício.

 

Com aspectos técnicos irrepreensíveis (o design de produção é deslumbrante), Sucker Punch conta com um elenco de beldades femininas que dão (muito) corpo e (pouca) alma a personagens unidimensionais, ao passo que os homens são, na sua maioria, retratados coom feios, sebosos e repulsivos, numa visão feminista que se adequa à proposta do filme. O que já não se adequa mesmo nada é o desfecho com ares filosóficos de quinta categoria e que serve tentar injectar profundidade numa narrativa que em momento algum quis parecer mais do que aquilo que é: um monumento ao talento imagético de Snyder e à sua incapacidade em perceber que uma estética primorosa não vale muito sem uma boa história por trás.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:05



Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D