Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sessão dupla

por Antero, em 14.06.08

Ontem fiz algo que pretendia fazer há muitos anos, mas nunca tive oportunidade: uma sessão de cinema dupla. Aproveitando a estreia de dois filmes, que pretendia assistir, na mesma semana, lá arranjei um tempinho para me sujeitar a mais de 4 horas de cinema. Seguem as minhas impressões sobre cada um dos filmes:

 

O Incrível Hulk

The Incredible Hulk

 

 

5 anos depois da adaptação ao grande ecrã comandada por Ang Lee, chega agora aos cinemas um novo filme que muito pouco tem a ver com o que lhe antecedeu. O Incrível Hulk não é uma continuação directa (actores, argumentista e realizador são diferentes) nem tão pouco um remake de Hulk. Seguindo a lógica de que os espectadores já estão familiarizados com as personagens e as suas relações, o filme reconta a origem do herói maldito da Marvel Comics (durante os créditos iniciais), permitindo que a história arranque mais rapidamente. Bruce Banner está no Brasil isolado daqueles que conhecia, embora mantenha contacto com um tal de Mr. Blue, de modo a encontrar uma cura. No entanto, o General Ross continua com os seus esforços para encontrar e capturar Banner, com o objectivo de utilizar o seu sangue contaminado de radiação gama para reactivar o programa do super-soldado, do qual o Capitão América é o resultado mais famoso (isto não é mencionado no filme, mas um pouquinho de cultura dos comics nunca fez mal a ninguém).

 

Apesar da narrativa se concentrar mais na acção do que no aprofundamento das personagens e das suas motivações, o filme consegue ter os seus méritos: Edward Norton surge bem melhor que Eric Bana no papel de amargurado Bruce Banner, desta vez há um vilão à altura da força e descontrolo do Hulk (Tim Roth, com uma loucura adequada ao papel) e a história consegue ser mais empolgante que no filme de 2003, que por vezes se arrastava demais. Quanto ao restante elenco as alterações não melhoraram grande coisa: Liv Tyler não é nenhuma Jennifer Connely (tanto em actuação e beleza) e William Hurt não consegue fazer esquecer o General Ross vivido por Sam Elliott.

 

Não tendo a complexidade do filme anterior, O Incrível Hulk consegue superá-lo num ponto que pareceu estar ausente em 2003 e que, porventura, foi decisivo na reacção fria que o filme recebeu aquando o seu lançamento: as sequências de acção são espectaculares e muito bem encenadas. Nada daqueles cortes rápidos e confusos em que não se percebe do que se passa (alguém disse Transformers?), com realce para o embate que se trava num jardim e para o clímax, que parecem saídas de uma história de quadradinhos. Aliás, todo o argumento parece uma boa revista de banda desenhada: sem rodeios, com tudo muito compacto e, o melhor, cheio de referências a personagens que povoam o mesmo universo das revistas (Tony Stark, o Homem de Ferro, aparece no final do filme, numa cena que é consequência directa daquela pós-créditos de Homem de Ferro).

 

Durante meses, andei a dizer que O Incrível Hulk seria um filme fraco que, não respeitando o anterior (o que não acontece, ele apenas é diferente) só teria razão de ser para suprimir as necessidades do público jovem, adeptos da acção descerebrada e vazia. Queimei a língua: o filme é um bom entretenimento e mostra que a Marvel Studios está mesmo determinada a acertar no alvo, agora que produz as adaptações das suas próprias criações.

 

Qualidade da banha: 14/20


 

O Acontecimento

The Happening

 

 

Ao contrário de O Incrível Hulk, andei meses a antecipar, com grandes expectativas, o novo filme de M. Night Shyamalan, que depois do horrível A Senhora da Água, parecia querer voltar ao género que melhor conhece e que lhe deu fama: o suspense. Voltei a queimar a língua: O Acontecimento vem provar que A Senhora da Água não foi um acidente de percurso e que o realizador/argumentista perdeu-se completamente. Narrando uma história em que um fenómeno estranho ameaça a costa leste dos Estados Unidos, cujos habitantes perdem orientação e suicidam-se em catadupa, o filme nunca consegue levar a sua óptima premissa a bom porto.

 

A primeira meia-hora é boa: toda a construção do suspense é muito bem feita e Shyamalan continua um mestre a filmar cenas tensas e de prender qualquer um na cadeira. Onde o homem falha mesmo é no argumento, que é povoado de personagens com a profundidade de um acetato (mal começa o filme, cada uma delas atira – este é o termo correcto – para o espectador todas as suas preocupações e problemas, de maneira falsa e maniqueísta) que, para piorar as coisas, só dizem coisas absurdas na situação em questão. Os diálogos do filme são, na sua maioria, de doer nos ouvidos: inócuos, ridículos, inverosímeis e disparatados. Destaque para a cena em que Mark Whalberg, totalmente perdido em cena, fala com uma planta (!) ou quando tenta, de forma infantil e risível, fazer ciúmes à sua esposa. Depois temos a montagem: dá a impressão que a película foi retalhada ao máximo, porque cada novo obstáculo que surge é mal desenvolvido (tudo é “resolvido” em pouco tempo) ou não é desenvolvido de todo.

 

O recurso utilizado em Sinais de fornecer informações às personagens (e ao espectador) através dos meios de comunicação não resulta aqui porque é usado até à exaustão. Já para não falar que as teorias levantadas pelos media não chegam a lugar algum (Acidente nuclear? Terroristas? Desastre ambiental?), servindo para quebrar o ritmo da narrativa e não para criar ainda mais tensão. Além do mais, qualquer pessoa com dois dedos de testa desvenda facilmente o que está por detrás dos estranhos fenómenos. Mas, se não chegarem lá, o filme apresenta toda a mensagem que deseja transmitir nas últimas cenas (uma entrevista televisiva e uma cena passada em França) para que ninguém saia da sala a dizer que não percebeu patavina. Foi-se a subtileza, restando o óbvio e o pretensiosismo de um cineasta que prometeu, cumpriu (um dos melhores filmes da década, O Protegido, é dele), mas deixou que o seu ego inchasse e que o sucesso lhe subisse à cabeça. Não era mal pensado que Shyamalan começasse a apostar em argumentos escritos por outros autores e investisse apenas na realização.

 

Qualidade da banha: 6/20

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:09



Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D