Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ainda de baixa

por Antero, em 28.01.10

Hoje acordei com as galinhas (o normal tem sido levantar-me por volta das 15 horas) para ir à consulta marcada em Vila Nova de Gaia com o objectivo de - pensava eu - tirar a tala que me tem acompanhado no último mês. Lá chegado, começaram os problemas: na Radiologia não me queriam fazer a radiografia porque o papel dizia expressamente "sem tala". Só que não havia nenhum enfermeiro para me fazer isso porque se encontram de greve e eles só cumprem o que está estipulado e não passam por cima de ninguém. Eu só pensava que agora que eu mais precisava todos decidem ser responsáveis e idóneos. Mas como quem tem amigos não morre na cadeia, uma cunha lá deu indicação para falarem com o ortopedista que decidiu por fazer a radiografia mesmo com tala. A técnica foi de uma simpatia extrema, desculpando sempre o atraso por causa da greve e do facto do médico que ainda não ter chegado (eram 9h45), ao que eu brinquei questionando-a se também ele estaria de greve. Ao que ela respondeu: "Ah, eles não precisam disso. Basta reinvidicarem e têm o que querem na hora.". Ri-me, mas não deixei de concordar com ela: os médicos agem e são tratados como se fossem donos do Mundo.

 

Tirado o raio-x, fui para o consultório do médico onde decorreu a seguinte conversa:

 

- Então e qual é o pé?

- O esquerdo. Caí na cozinha e fracturei um osso. Não me pergunte qual.

- Ah, ok... errr, ainda não recebi os seus exames...

- Não?! Mas eu acabei de fazê-los.

- Pois, mas ainda não me vieram entregar.

- Não me diga que isso também está a cargo dos enfermeiros...

(...)

- Tirar a tala vai ser um problema. Não está cá ninguém...

- Não posso eu fazer isso?

- Você sabe?

- Não é só cortar?

- É.

- Onde está a dificuldade, então?

 

(já com os exames)

- Mais uma semana e tira isso.

- O quê?!?

- É que o osso ainda não recuperou completamente. Por precaução fica mais uma semana, volta, faz novo raio-x e tira isso de certeza.

- Oh...

- Vejo que já trazia uma sapatilha e uma meia para calçar.

- Pois, já vinha mesmo preparado para largar as muletas. Estou farto disto.

- Pode guarda-las aqui no meu armário e vem buscar daqui a uma semana. - disse ele muito sorridente.

- Pode ser é que te caia um dentinho. - pensei eu.

 

Saí do hospital com cara de poucos amigos. A minha paciência tinha o prazo de um mês e ele acabou de expirar. Queria pegar no carro e já pensava ir ao cinema este fim-de-semana. Estou farto de tomar banho sentado e com uma perna esticada. Já não suporto as comichões. Não poder ir a lado nenhum sem ter de arrastar alguém comigo. Ou poder sair à noite e curtir até às tantas. Tenho tentado levar isto de ânimo leve, mas está complicado. Estou saturado e de muito mau humor. Cuidado Mundo!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:36

Vento da mudança

por Antero, em 26.01.10

Os Scorpions anunciam fim de carreira... depois de mais uma digressão e um álbum.

 

Sinto-me assim...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35

Filmes Expresso #1

por Antero, em 25.01.10

Decidi abrir uma nova rubrica por aqui, onde farei apreciações curtas e directas dos filmes que vi recentemente. Pretende ser um complemento aos textos mais longos que vou publicando (que, regra geral, referem-se a estreias recentes) e, como nestas últimas semanas andei bastante parado, filmes é o que não faltam. A maioria serão filmes recentes, uma vez que estamos na temporada de prémios e não posso escrever exaustivamente sobre tudo (já me chega o jornal), mas nem sempre será assim pois posso abordar filmes já com uma certa idade ou outros que revi pela enésima vez.

 

Amar... É Complicado

It's Complicated (2009)

O carisma de Meryl Streep, Alec Baldwin e Steve Martin salvam esta batida história de amor cujo único diferencial é os protagonistas estarem na casa dos 50. De resto, mais do mesmo: Nancy Meyers continua a realizar com a preguiça de sempre e o argumento erra mais do que acerta, principalmente quando um charro de erva é metido ao barulho.

Qualidade da banha: 11/20

 

The Invention of Lying

The Invention of Lying (2009)

Uma premissa absurda (numa dimensão paralela, toda a gente diz a verdade até que alguém se atreve a mentir) é espremida ao máximo, com resultados eficazes, ainda que, aqui e ali, se entregue a clichés típicos da comédia norte-americana.

Qualidade da banha: 12/20

 

Invictus

Invictus (2009)

Uma história de superação contada pela câmara sóbria de Clint Eastwood que nunca deixa o filme resvalar para a pieguice típica do género. Morgan Freeman e Matt Damon oferecem interpretações excelentes e a reconstituição do Campeonato Mundial de Rugby de 1995 é primorosa.

Qualidade da banha: 15/20

 

Nas Nuvens

Up in the Air (2009)

Depois dos óptimos Obrigado Por Fumar e Juno, Jason Reitman realiza a sua melhor obra até ao momento, uma crónica da solidão individual na sociedade corporativa actual. Ainda que a realização não ofereça nenhum rasgo de génio, é o carisma de George Clooney e Vera Farmiga que transcendem o filme, aliado a um argumento cativante que ainda oferece um final atípico, corajoso e agridoce.

Qualidade da banha: 17/20

 

Moon - O Outro Lado da Lua

Moon (2009)

Filme de baixo orçamento, onde Sam Rockwell brilha a grande altura como o astronauta isolado numa estação lunar a poucos dias de voltar a casa. Parco em acção, o filme desenvolve temas como a solidão, a identidade e, acima de tudo, a consciência humana.

Qualidade da banha: 16/20

 

A Princesa e o Sapo

The Princess and the Frog (2009)

É óptimo ver a Disney apostar novamente nas animações tradicionais, mas não esperem um marco como A Pequena Sereia ou A Bela e o Monstro. A história é previsível e isso não é problemático, mas falta carisma às personagens e os números musicais são vulgares. A animação, por outro lado, é muito boa e a direcção de arte com a Nova Orleãs dos anos 20 é óptima.

Qualidade da banha: 8/20

 

Punisher: War Zone

Punisher: War Zone (2008)

Segundo tentativa com a personagem dos comics depois daquela medíocre película com John Travolta e Thomas Jane e, novamente, um filme de acção acéfalo, desnecessariamente ultra-violento e sem um pingo de emoção. Aconselhado a filmes deacção série B dos anos 80.

Qualidade da banha: 4/20

 

Sherlock Holmes

Sherlock Holmes (2009)

A história podia ser menos absurda e complexa, mas a química entre Robert Downey Jr. e Jude Law é impecável, tornando-o num entretenimento válido e um bom início para uma série de filmes com o bom e velho detective.

Qualidade da banha: 12/20

 

Visto do Céu

The Lovely Bones (2009)

Uma embaraçosa mancha no currículo de Peter Jackson, onde a história de uma rapariga estuprada (embora tal não seja mencionado) e assassinada é tratada com uma leveza inadequada, onde o realizador perde-se no tom que quer dar à narrativa. No final, temos uma obra mórbida na mensagem feliz que promove, moralista ao extremo e cobarde no seu desenlace para satisfazer as massas e que tem todo o aspecto de ter sido inserido à martelada.

Qualidade da banha: 5/20

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:12

Dica da Marta

por Antero, em 22.01.10

AMartaachou este questionário no site da Rádio Comercial, decidiu fazer e aconselhar ao pessoal. Normalmente quem me passava estas coisas era amadrinhaaqui da banca, mas a moça parece que arranjou um iglo para ela e o seu mais-que-tudo e hibernou. Cátia, se estiveres desse lado, areja lá o teu blogue com este questionário:

 

1. Algumas pessoas ficariam chocadas por descobrir que sei de cor a letra de…

Algumas músicas de Leandro & Leonardo e Fafá de Belém.


2. Admito que já fingi tocar guitarra ao som de…
Xutos e Pontapés, numa actuação para uma festa da catequese. Eu era o Tim.

 

3. Acho que os blogs são…
Viciantes, embora estejam a perder espaço para Twitters, Facebooks e afins.

 

4. Saí do cinema a meio do filme…
Nunca se proporcionou, mas o mais próximo que isso esteve de acontecer foi com o Corrupção.

 

5. Na minha carteira / mala pode sempre encontrar-se…
O meu cartão de contribuinte partido em três bocados.

 

6. No meu frigorífico, tenho ímanes de…
Número da Pizza Hut para encomendas.

 

7. Uma máquina do tempo vinha mesmo a jeito para…
Não dar a valente queda que dei antes do Ano Novo e que me obriga a estar de gesso até ao final do mês.

 

8. O meu CD mais mal tratado por tanto uso é…
Que me lembre, o único CD que comprei realmente por minha vontade e com o meu dinheiro foi a banda sonora do Moulin Rouge. Perdi-o numa visita de estudo a Sintra, mas ele já parecia velho de tanto ouvir.

 

9. Talvez me apanhem num karaoke a cantar…
Carlos Paião - Playback (já aconteceu e está filmado).

10.  Quase ninguém percebe a minha panca por…

Adorar feijoada e detestar feijão.

 

11. O vídeo que mais vejo no Youtube é…

OCharlie bit meeee!e oKick My Asksão imbatíveis.

 

12. Não consegui acabar de ler…
O Código Da Vinci. Não passei da quinta página.

 

13. Quase fiquei sem voz no concerto de…
Blasted Mechanism em Aveiro, numa Semana Académica qualquer.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:30

O filme mais aguardado de 2010!

por Antero, em 19.01.10

 

Para mim é este! E até pode ser em versão portuguesa e tudo que eu cá habituei-me a ouvir o José Raposo como o Sr. Cabeça de Batata. Podiam era lançar por terras lusitanas os dois primeiros filmes em sessões duplas 3D que eu pagava para rever sem qualquer problema. Toy Story vê-se em qualquer altura e sempre com a mesma sensação de maravilhamento. Apesar de esta sequela ser produzida com fins económicos (e não são todas?), eu acredito que a Pixar nos levará novamente até ao infinito e mais além.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:56

Perdições #4

por Antero, em 14.01.10

 

PÃO DE ALHO

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:46

Coisas fofas e belas

por Antero, em 10.01.10

 

Quem diria que o Spike Jonze dos surreais e metalinguísticos Queres Ser John Malkovich? e Inadaptado seria o homem do leme na adaptação cinematográfica de um conto infantil? Pois o certo é que o realizador dos dois excelentes filmes anteriores faz um bom trabalho em O Sítio das Coisas Selvagens, um filme que dirá pouco a crianças, mas que tocará bem fundo a qualquer adulto, uma vez que o tema que percorre toda a película acontece a todos nós: o assumir de responsabilidades, a maturação do indivíduo e descobrirmos o nosso lugar na sociedade que, sem as lentes inocentes da infância, revela-se bem menos perfeita do que pensávamos.

 

Max é uma criança solitária e irrequieta que, após uma discussão com a mãe, foge de casa e vai parar a uma ilha onde encontra uma comunidade de criaturas conhecidas como as Coisas Selvagens. É acolhido por elas, nomeado "rei" e decidem contruir um forte onde possam habitar. Vividas através de técnicas como a animatrónica, efeitos de computador e actores num fato desenvolvido para o efeito, as Coisas Selvagens são o grande destaque da produção: na contramão das recentes tendências de utilizar fartos efeitos especiais para atingir um maior realismo, é o ar mais artesanal nos movimentos e comportamentos das criaturas que se torna o grande charme do filme. Isso não significa que elas não consigam ser bastante expressivas, mesmo presas a uma técnica que, convenhamos, é rudimentar.

 

Assim, acaba por ser um feito espectacular que o espectador se identifique e se comove com as Coisas Selvagens: exemplos de estereótipos da sociedade (há o impulsivo, o agressivo, o discriminado, o solitário ,...) elas são como uma prova de fogo ao carácter de Max que, repentinamente, se torna líder delas. Então, O Sítio das Coisas Selvagens torna-se numa alegoria ao crescimento e à perda da inocência característica das crianças, uma vez que vários obstáculos aparecerem levando a conflito de personalidades e Jonze retrata este processo natural com bastante sensibilidade, salientando a pureza das atitudes de Max e as consequências cinzentas que daí podem surgir.

 

Com um final comovente e conscientemente triste, O Sítio das Coisas Selvagens apenas peca em ocultar certas informações que poderiam fornecer mais complexidade às criaturas: porque elas são tão infelizes? Quais são as experiências de vida delas? Max seria o primeiro a "infiltrar-se" na comunidade? O que levou a certas rupturas no seio delas? De qualquer forma, estas falhas não afectam o resultado final e o filme, mesmo sem estar ao nível de obras anteriores, leva a desejar que Jonze não fique mais sete anos sem realizar uma longa-metragem. O Mundo precisa da sua imaginação.

 

Qualidade da banha: 15/20

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:29

Casamento homossexual

por Antero, em 08.01.10

Já está!Custou alguma coisa? O Mundo acabou? O Sol deixou de brilhar? Ou aquelas almas tristes que achavam que o número de abortos ia disparar em flecha continuam a achar que as Conservatórias vão passar a abarrotar de homossexuais a oficializar a sua relação? E, se assim fôr, qual é o problema? Igualdade não é isto? Aceitação? Respeito? Se aqueles que se preparam para hostilizar esta decisão do Governo direccionassem o seu ódio para decisões que realmente lesam o povo (preço dos combustíveis, trabalho precário, condições de saúde, educação, pobreza, ...) faziam um favor bem maior do que estar a discutir algo que não merece discussão. É contra a Natureza? Vocês sabem lá o que dizem! É contra os desígnios de Deus? O Deus que eu conheci na catequese não promove o ódio entre pares e, a rigor, o que interessa o que a Igreja diz? Não sabiam que o Estado é laico? A lei é anti-constitucional? Pois a Constituição pode ser alterada; se assim não fosse ainda estaríamos sob uma monarquia absolutista.

 

Irrita-me o conservadorismo radical, a tacanhez de quem não consegue pensar no colectivo, a hipocrisia de quem diz seguir um dogma, mas não pensa duas vezes em saltar fora quando bem lhe apetece.

 

A lei não é perfeita e, de certo modo, amordaça o indíviduo a um registo governamental que pode comprometer certas situações futuras. A adopção é um exemplo. E, neste particular, acho que a adopção tem de ser discutida a fundo, uma vez que a sociedade não está preparada para que um casal homossexual tenha uma (ou mais) crianças a cargo, mesmo com mil e um estudos que provam o contrário. Mas, lá está, é um problema da sociedade e não dos homossexuais! E a mentalidade é algo difícil de mudar. Mas os passos estão a ser dados. Hoje estou contente pelo meu país (amanhã já não estarei, mas enfim...) e consciente de que os Direitos Civis serão respeitados no futuro.

 

Porque é de Direitos Civis que falamos e é isto que muito boa gente demorará a perceber.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:48

Infíeis, convertam-se!

por Antero, em 06.01.10

5 temporadas de LOST em 8 minutos e 15 segundos!

 

 

Faltam 27 dias para a estreia da sexta e última temporada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:43

Pasmaceira obrigatória

por Antero, em 04.01.10

Quando deixei de trabalhar no início de Dezembro, a minha ideia era tirar uns valentes dias de descanso, organizar umas coisas e deixar a procura por um novo emprego para o início do ano novo. Descansar era a palavra de ordem. Por isso, estar agora com o pé engessado não deixa de ser uma trágica ironia, uma vez que sou obrigado a não fazer nada. Ser obrigado a fazer algo nunca é bom. Até mesmo quando isso significa não fazer nada.

 

Ontem, lá peguei nas minhas novas amigas e saí de casa. Soube bem sair à rua, respirar ar puro, levar com a ventania no corpo (e nos dedos descobertos, que ficaram gelados) e tomar um café. Estive 5 dias enfiado em casa e sem tomar café; não sei como sobrevivi. Andar de muletas é chato e cansativo, mas já consigo pousar o pé no chão (mas não pressionar) e estou a ganhar algum traquejo para me aventurar sozinho e não ficar tanto tempo sem café. O que irrita mesmo é a comichão: no outro dia procurei desesperadamente uma régua para enfiar dentro do gesso e aliviar a pele. Já vi fotos da passagem de ano que perdi, o que me deixou terrivelmente frustrado, mas eu não tinha mesmo condições para sair de casa nesse dia.

 

De qualquer forma, os dias vão passando e a primeira semana  - a pior, porque exige repouso absoluto - já lá vai. Agora é esperar pacientemente até dia 28.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

Pág. 1/2



Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D