Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



je suis charlie

Sinto-me angustiado. Envergonhado. Revoltado. 12 pessoas foram assassinadas nos seus locais de trabalho esta manhã em Paris. O motivo? Uns desenhos satíricos.

 

Sou ateu e abomino religião por tudo de mau que ela representa. Este foi só mais um episódio. Mas, na verdade, o que me move contra a religião não é propriamente a crença em dogmas retrógrados e seres fantasiosos (longe de mim impedir que alguém tenha a sua crença, mas convém perceber que, como construção humana e escolha pessoal, a religião está sujeita à crítica e à sátira - e isto faz toda a diferença), mas sim o fundamentalismo religioso. É este fundamentalismo que permite agregar sociopatas que usam a religião como válvula de escape para os seus impulsos violentos. Achar que é exclusivo do Islamismo é estupidamente míope: o fundamentalismo existe em todas as religiões e não se manifesta somente através de atos terroristas. Raios, ele não está sequer confinado aos limites da religião.

 

A bandeira da liberdade de expressão é levantada por todos aqueles chocados com esta barbaridade (e com razão), mas muitos nem se apercebem do que ela implica no nosso quotidiano. Há que perceber uma coisa: a liberdade de expressão é uma coisa muito bonita e digna de ser preservada, mas é uma rua de dois sentidos. Implica ouvir algo que não gostamos, de mau gosto, que seja escandaloso e altamente reprovável. Se alguém tece comentários racistas, homofóbicos, misóginos e outros adjetivos carregados de intolerância, essa pessoa tem o direito de o fazer. Basicamente, esse alguém tem o direito de ser um imbecil.

 

O que nos leva a outro ponto: a liberdade de expressão implica que cada um seja responsabilizado pelo que diz, escreve ou defende. E responsabilizado no aspeto em que está sujeito a ser taxado de impropérios, que lhe deixem de falar, que o condenem, que o critiquem, que gozem com ele, que o desmintam ou, em última instância, que lhe espetem com um processo em tribunal. Partir para a violência por desgostar da opinião alheia é a resposta dos covardes. Responsabilizar não é ser fuzilado logo pela manhã, ou entrar numa ilha e matar 76 pessoas, ou declarar uma fatwa porque se escreveu um livro, ou enviar aviões comerciais contra edifícios, ou espancar e segregar os "não-heterossexuais", ou manter mulheres prisioneiras em campos de trabalhos forçados publicamente conhecidos como "lavandarias", ou explodir bombas em transportes públicos, ou... bem, poderia estar aqui toda a noite.

 

Para agravar o estado de insanidade no qual o planeta parece ter mergulhado, é só ler o esgoto da Internet: as secções de comentários seja de jornais ou no Facebook. Entre declarações que tentam justificar e/ou minimizar o ocorrido ("eles puseram-se a jeito") e outras que vão ao extremo de enfiar tudo no mesmo saco ("os muçulmanos são todos terroristas e têm de ser expulsos da Europa/presos/mortos"), dá a impressão que muitos esperavam algo do género para extravasar as suas mentalidades da Idade Média.

 

Está difícil manter a esperança na raça humana.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Religião e limites

por Antero, em 13.11.11

Esta noite tive uma discussão um tanto ou quanto acesa com um amigo meu sobre religião, um tópico que hesito em discutir com alguém que tenha uma opinião diferente da minha não por que não gosto de ouvir pontos de vistas divergentes, mas sim por que é um tema sensível e que, mal gerido, leva a um clima inflamado como, eventualmente, aconteceu.

 

Dizia ele que eu, ao renegar a educação cristã que tive durante anos e o papel desta nos valores que me foram incutidos (bem como desprezar a Igreja Católica), tornara-me numa pessoa limitada. Nunca, em toda a história da Humanidade, seja em que campo for, alguém que tenha rompido com o estabelecido, com o status quo, foi apelidada de "limitada", mas acho que há sempre uma primeira vez para tudo. Ele, por outro lado, compreende e valoriza tudo o que lhe foi transmitido por essa educação e tenta tirar dela o melhor para si e para os seus, o que deveria ser a principal função de todo e qualquer interveniente religioso (o que sabemos bem não acontecer em inúmeros casos, todos eles bem documentados numa História ainda a ser escrita e que, infelizmente, ganham mais mediatismo que os aspetos positivos).

 

Isto pôs-me a pensar: primeiro, cometi o erro de usar a expressão "renegar", uma palavra forte e inadequada para a discussão em causa. Ora, eu não posso garantir que a pessoa que sou hoje não tenha sido influenciada, ainda que numa ínfima porção, pela educação católica que tive ou que os meus pais (e avós, bisavós, e por aí fora) tiveram. Aí, sim, fui limitado na ideia que quis transmitir e que, admito, estava equivocada. No entanto, a educação que tive obriga-me a respeitá-la e, em último caso, a seguir a doutrina? Não! Obriga-me a catequizar os meus filhos? Não! "Então, não me fodam a cabeça!" – e assim rematei a discussão.

 

Dito isto, tenho imensa consideração por esse meu amigo e estou-lhe grato pela frontalidade, mesmo que não concorde nada com a opinião dele. Caso contrário, se ele não se sentisse à vontade para a exprimir livremente e cara a cara, eu não teria tanto apreço por ele. Lamento que a discussão tenha resvalado para um tom mais virulento, mas são coisas que acontecem (consigo ser bastante ríspido, o que por vezes é um enorme defeito). E, generalizando um pouco mais agora, por muito jogo de cintura que possa ter, não estou disposto a aceitar posições absurdamente disparatadas mascaradas sob o lema de "é a minha opinião, tens mais é que respeitar!". Não, não tenho.

 

Se isto faz de mim altivo, grosseiro e limitado, então seja! Caráter é algo que ninguém deveria ser obrigado a abdicar.

 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:37

Iliteracia

por Antero, em 04.05.10

Apetecia-me enviar uma caixa para a Assembleia da República e outra para o Palácio de Belém, cada uma com um dicionário que teria um marcador de livros numa determinada página e, nessa página, realçar com marcador fluorescente a palavra "laico". Pelos vistos temos um Governo iletrado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:27

Casamento homossexual

por Antero, em 08.01.10

Já está!Custou alguma coisa? O Mundo acabou? O Sol deixou de brilhar? Ou aquelas almas tristes que achavam que o número de abortos ia disparar em flecha continuam a achar que as Conservatórias vão passar a abarrotar de homossexuais a oficializar a sua relação? E, se assim fôr, qual é o problema? Igualdade não é isto? Aceitação? Respeito? Se aqueles que se preparam para hostilizar esta decisão do Governo direccionassem o seu ódio para decisões que realmente lesam o povo (preço dos combustíveis, trabalho precário, condições de saúde, educação, pobreza, ...) faziam um favor bem maior do que estar a discutir algo que não merece discussão. É contra a Natureza? Vocês sabem lá o que dizem! É contra os desígnios de Deus? O Deus que eu conheci na catequese não promove o ódio entre pares e, a rigor, o que interessa o que a Igreja diz? Não sabiam que o Estado é laico? A lei é anti-constitucional? Pois a Constituição pode ser alterada; se assim não fosse ainda estaríamos sob uma monarquia absolutista.

 

Irrita-me o conservadorismo radical, a tacanhez de quem não consegue pensar no colectivo, a hipocrisia de quem diz seguir um dogma, mas não pensa duas vezes em saltar fora quando bem lhe apetece.

 

A lei não é perfeita e, de certo modo, amordaça o indíviduo a um registo governamental que pode comprometer certas situações futuras. A adopção é um exemplo. E, neste particular, acho que a adopção tem de ser discutida a fundo, uma vez que a sociedade não está preparada para que um casal homossexual tenha uma (ou mais) crianças a cargo, mesmo com mil e um estudos que provam o contrário. Mas, lá está, é um problema da sociedade e não dos homossexuais! E a mentalidade é algo difícil de mudar. Mas os passos estão a ser dados. Hoje estou contente pelo meu país (amanhã já não estarei, mas enfim...) e consciente de que os Direitos Civis serão respeitados no futuro.

 

Porque é de Direitos Civis que falamos e é isto que muito boa gente demorará a perceber.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:48

Actualidades #5

por Antero, em 16.09.08

GALP e o preço dos combustíveis

Chulice. Não me ocorre melhor palavra para a atitude da GALP: o preço do petróleo baixa a cada dia, mas baixar os preços tabulados nem pensar. Pelo menos, não imediatamente. Quando subir, podemos esperar um acréscimo logo no dia seguinte. E já inventaram mil e uma desculpas para fugir com o rabo à seringa: são os assaltos aos postos de abastecimento (embora não conste que alguém tenha levado combustível), é o preço do crude que baixa em dólares e não se reflecte no euro (sem comentários...), até queriam aumentar o preço durante a noite por causa da insegurança. E o Governo assobia para o lado.

 

Cultos religiosos

Em tempos de crise, o povo vira-se para qualquer coisa que lhe dê esperança. Isto porque, pelo menos aqui em Espinho, têm-se multiplicado como coelhos as igrejas "alternativas". São já umas cinco ou seis. Todas diferentes, cada uma oferece um perspectiva distinta e uma oportunidade de acabar com os problemas de cada um (dizem eles). O dízimo é que não pode faltar, pois claro. Há uma que acho um piadão: chama-se Lions qualquer coisa e o slogan diz "a Igreja que tem cara de Leão" (devem ser adeptos do Sporting). Meus amigos, com um slogan assim, que vos leva a sério? O pior é que o Cine-Teatro S. Pedro cá da cidade estava parado há muitos anos e, recentemente, foi vendido a uma dessas igrejas. E o caldo entornou, porque esse espaço faz parte do erário público e não pode ser simplesmente vendido a um privado. Agora é ver a Câmara e a Junta a passar a batata quente para apurar responsabilidades, mas que lhes sirva de lição para não deixarem um espaço cultural em boas condições ao abandono. Espinhenses, uni-vos e formai uma comunidade tipo os Amigos do Coliseu (lembram-se?) e ajudai a salvar o Pedrinho das garras de Satanás (ok, exagerei um pouco agora).

 

Liga dos Campeões

Começa hoje a grande competição europeia. Digam o que disserem, a Liga dos Campeões tem outro perfume em relação às restantes competições de clubes (apesar de eu ser mais Taça dos Campeões Europeus). Será que o Sporting vai ajudar à crise do Barcelona? Ou como bons hóspedes, ajudarão a reconciliar os catalães com os adeptos? Será que é desta que Mourinho, novamente com tantos milhões na mão, ganha outra vez a Champions? O Real passará dos oitavos? E Scolari fará alguma coisa de jeito? O Manchester United desilude ou confirma? Será o FC Porto eliminado por outra equipa (muito) menos cotada? Platini continuará a atormentar o FC Porto a cada jogo da Champions? As respostas a partir de hoje até Maio de 2009.

 

Benfica TV

Boa aposta da parte do Benfica de inaugurar o próprio canal com a transmissão em exclusivo da partida da segunda mão com o Nápoles no MEO. Já que a Zon/TV Cabo andou a empatar o mesmo durante meses a fio, que sequem mais um tempinho (e, atenção, que eu tenho Zon). Mas acredito que, a longo prazo, a Zon e o Benfica acabem por chegar a acordo. Eu já tenho onde ver o jogo (ter amigos com MEO dá sempre jeito) e na altura farei a análise do mesmo, bem como do canal e da transmissão em si. Isto se o resultado for bom, senão... faço de conta que esqueci. Nos relvados, Quique Flores não esteve com meias medidas e suspendeu Cardozo dos treinos por falta de empenho. Já lhe chamam conflituoso. Quer dizer, Paulo Bento parece estar de relações cortadas com Vukcevic e Stojkovic e é disciplinador; Jesualdo Ferreira é insultado por Quaresma durante dois anos, mas, cuidado, que ele é disciplinador; Quique exige mais dos seus jogadores e é conflituoso. Há algo que me escapa na imprensa portuguesa...

 

Gotan Project em Portugal

Há dois anos, vieram cá duas vezes e eu não pude ir nenhuma. À terceira é (será?) de vez! Dia 20 de Dezembro, podem marcar aí na agenda, na Praça de Touros do Campo Pequeno. O pior é que só mesmo em Lisboa, desta vez eles não vêm ao Porto. O que me deixa fulo da vida, porque lá terei que me fazer à estrada ou pedinchar guarida aos alfacinhas. Mas desta não passa, raios! Alguém interessado desse lado?

 

Escolaridade obrigatória

Cavaco Silva defende a escolaridade obrigatória até ao 12º ano. O ensino secundário não deve ter mudado muito desde o meu tempo (até pareço velho a escrever uma coisa destas), embora tenha passado por duas ou três reformas... "teóricas", e quer-me parecer que, nas circustâncias actuais, aquilo que Cavaco defende é uma palhaçada. Se tentassem melhorar as condições e os critérios do ensino, assim até se podia pedir um alargamento da vida escolar. Mas enfim, neste Governo do "faz de conta", há algo com que podemos sempre contar: a coerência disfarçada. Qualquer medida tomada tem sempre o objectivo obscuro de mostrar que se reduzem as desigualdades, que se faz um grande esforço em conter o défice, que nas diferentes áreas da sociedade há progresso e que está tudo controlado. Tudo pelas aparências, num verdadeiro chico-espertismo à portuguesa. Umas vezes resulta, outras não.

 

Regresso às aulas

Já não sei o que isso é.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:20


Banha de Cobra

Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D