Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lost: 10 anos

por Antero, em 22.09.14

 

Há dez anos um avião desaparecia no Pacífico Sul e dava início ao maior fenómeno televisivo deste jovem século. Misto de drama profundo com aventura, história de sobrevivência, ficção científica, filosofia e muitos (muitos!) mistérios, Lost capturou a imaginação do público com a história dos sobreviventes do fatídico Oceanic 815 e daqueles que se cruzaram nos seus caminhos. Durou 6 excelentes temporadas (sim todas, sem exceção!) e marcou um virar de página na forma como se produz e se vende em Televisão.

 

Surgida numa fase de grande experimentalismo e de proliferação de diferentes propostas e abordagens na Televisão norte-americana (em que as emissoras abertas começaram a ter de correr atrás dos canais do cabo), Lost ousou em desafiar aquilo que era regra nas narrativas serializadas: assistir ao piloto após tantos anos e com outros olhos é ver cada uma dessas leis atiradas janelas fora. Não há exposição para situar eventos e personalidades: sabemos exatamente aquilo que as personagens sabem, como se nós próprios também tivéssemos caído naquela Ilha - e, com isso, a tensão aumenta ao estabelecer-se desde logo uma atmosfera de urgência e perigo. A maneira como os flashbacks são introduzidos e incorporados organicamente na narrativa é genial: da Ilha saltamos para os últimos minutos do voo e experimentamos o pânico e a confusão da queda do avião. Mais à frente, descobrimos que Charlie é um viciado em heroína e que Kate encontrava-se algemada. Como chegaram àquele ponto? O que fez Kate para ser procurada pelas autoridades? É inocente? Cometeu um crime? Qual? Como? Porquê? E por aí fora à medida que a teia de enigmas se vai adensando e em que uma resposta longamente ansiada pode despoletar outra mão cheia de questões.

 

Nem só de flashbacks vivia Lost. Entre o núcleo de sobreviventes da cauda do avião, os flashforwards, as viagens no tempo, realidades paralelas, mais o misticismo, esoterismo, pseudo-ciência, teologia, etc., a série encontrava sempre novas e interessantes formas de contar a sua história, mantendo o espectador às escuras em relação ao que iria acontecer e como iria acontecer. Nada disto, porém, serviria de muito caso os dramas daspersonagens não fossem envolventes e esse era o ponto onde a produção mais se esmerava: se Lost se tornou tão memorável deve-se em grande parte à sua fascinante e multifacetada galeria de personagens que tivemos a oportunidade maravilhosa de os ver crescer diante dos nossos olhos. E os mistérios? O Monstro. O urso polar. A francesa louca. Os Outros. A Iniciativa DHARMA. O eletromagnetismo. 4 8 15 16 23 42. A Ilha desaparecer. Os saltos temporais. Jacob. Aquele desfecho.

 

No entanto, isto é somente a ponta do icebergue na experiência que foi acompanhar Lost ao longo dos anos e o seu sucesso deve-se a um timing perfeito com a popularização dos downloads de séries aquando a sua exibição original. A ABC, atenta ao hype que se foi gerando, nunca interferiu nesta questão e procurava formas de manter o interesse sem alienar a audiência mundial. Daí que a janela de exibição entre os EUA e o resto do Mundo tenha diminuído cada vez mais. Cabia na cabeça de alguém que, há meros dez ou cinco anos, pudessemos ver o final de uma série em simultâneo com os norte-americanos ou assistir ao mais recente episódio de Game of Thrones um dia após a exibição original? O paradigma mudou com os downloads e com Lost no topo das preferências da "pirataria online".

 

Revisitar Lost é também reavaliar-me. É ler textos antigos aqui do estaminé e ver outra pessoa, outra escrita (por vezes, terrível e de corar) e outra energia. De alguém que descobrira que a Televisão podia ser mais do que os CSIs da vida e pílulas de boa disposição em formato de 30 minutos. De uma excitação digna de uma criança na véspera de Natal - todas as semanas. De ler artigos por essa Internet fora (e quantos blogues e sites não surgiram graças à série?) e formular mil e uma teorias. De desesperar meses a fio entre temporadas.

Há muitas e boas séries ainda no ar, mas Lost era única. O prazer de ver a série começava quando o episódio acabava. Breaking Bad ensaiou algo parecido na reta final quando o Mundo abriu os olhos para o seu valor, mas foi algo ainda longe do fenómeno de culto que foi a primeira. Nenhuma série me desperta o mesmo grau de fascínio e viciação. Game of Thrones parei no final da terceira temporada e nunca mais retomei, The Walking Dead estanquei na primeira, desisti de Homeland, House of Cards vi dois episódios e "nhé",vi uns três capítulos de Hannibal e não me cativou. Podia pegar em True Detective, Sons of Anarchy, Fargo ou Masters of Sex, mas a verdade é que nunca vi essas séries nem as mesmas me puxam muito. Ainda tive Fringe (gostei muito, mas...), House (errrr...) e Dexter (cruzes, credo!). Claro que ainda tenho Sherlock (quando temos direito) e a cada vez mais incrível The Good Wife (que eu amo), mas Lost era... Lost!

O certo é que, gostando do final ou não, dos caminhos fantasiosos pelos quais se meteu e um ou outro engonhar da história, Lost merece ser recordada e celebrada como um dos mais originais, criativos, bizarros e admiráveis esforços que a Televisão já ofereceu. Que muitas outras tentem até hoje replicar o seu efeito é só mais um atestado de toda a sua qualidade.

 

Tenho saudades daquela maldita Ilha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:52


5 comentários

Imagem de perfil

De Catarina a 24.09.2014 às 21:03

Concordo! Ainda está para vir uma série como Lost!
Sem imagem de perfil

De Tiago a 25.09.2014 às 11:58

Lost foi uma grande série, gostei muito de ver todas as temporadas mas para o fim já estavam a entrar por um caminho algo confuso e sem sentido como se os produtores da série não acreditassem no sucesso da mesma de inicio, e daí o "improviso" das últimas temporadas. Ainda assim foi qualquer coisa para a altura que foi mas para mim já existem melhores séries por aí ..
Sem imagem de perfil

De SSaraiva a 27.09.2014 às 15:33

Como uma outra série a ver, posso sugerir Person of Interest. Que tem como personagem não mais não menos do que Michael Emerson, que também entrou em Lost.

A série está também repleta de mistério e é uma das séries mais envolventes que existe hoje. Cheia de acção e um pouco de drama à mistura.
Uma excelente série.
Sem imagem de perfil

De Tiago a 03.10.2014 às 23:10

Olá,

Sigo o seu blog há imenso tempo, e tenho que concordar consigo que Lost foi a melhor série que já existiu, e ainda não encontrei outra igual.

Pegando aqui num outro comentário, gostaria de saber se por acaso já experimentou ver Person of Interest e se gostou/não gostou. É que tem o imensamente carismático Michael Emerson, o nosso Ben :b

Tenho alguma curiosidade no seu "mas" em Fringe, não quer explicar? :)

Abraços!
Sem imagem de perfil

De Sit a 04.11.2014 às 02:15

Não gostei de LOST.
Aquilo que muitos consideraram original a meu ver era um formato batido e bastante conhecido, assim como previsível. Um mistério, muitas questões lançadas para o ar, poucas a ter respostas, geravam mais questões, violência, mortes e sangue só para dar espetáculo, muita cena de flashback - desculpem, eram demais!! Ninguém aguentava tanto "pulinho" chato e que nunca mais chegava a propósito algum. Era uma trama esticada só para esticar, só para manter os viciados no vício. E claro, terminava da forma mais cliché de todas: no climax. Fosse num mistério ou numa revelação que ficou para se saber no episódio seguinte.

Fala dos "comprimidos" de 30 minutos de riso - é uma fórmula. A que acabou por se celebrizar mais comum e que vem com risos "enlatados". Mas LOST não inovou coisa alguma nesse sentido, também é uma fórmula cujas paragens obrigatórias já descrevi. Já haviam feito uma série chamada "Twin Peaks" que se regia nos mesmos parâmetros de Lost, só que centrada na morte de Palmer ao invés de uma ilha e um avião.

A trama não passou de um pretexto para meter personagens e tirar personagens, a fim de esticar os excelentes rendimentos financeiros da estação e dos criadores com muito e muito vazio que pouca explicação teria. Aquilo era tão feito para agarrar que até o elenco era uma cuidadosa selecção de «supermercado», com fruta para todos os gostos: o gordo, o hispânico, o oriental, o americano herói, a toda-boa, a loura-burra, o mau, a velha, o velho... e quando se cansavam matavam e metiam outros. Tinha era de ser um "Prato" cheio de variedade, para agradar a todos, até ao tipo gordo que está no sofá a encher-se de batata frita e coca-cola - até esse tinha de se ver na ilha.

Não passou de uma falsa inovação.

Comentar post



Banha de Cobra

Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D