Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Desperate Housewives 5x08: City on Fire

De vez em quando, há episódios cujo tema central é uma situação drástica que envolve praticamente toda a população de Wisteria Lane. Foi assim em Bang (o melhor episódio de toda a série) com o sequestro no supermercado e em Something’s Coming com o ridículo tornado que assolou a região. São episódios fulcrais que costumam fechar arcos narrativos, fazem a história andar e, normalmente, abrem novas possibilidades na série. Neste episódio, o mote é a apresentação de banda sénior idealizada por Dave no tal festival de bandas de garagens e, durante a qual, ocorre um incêndio e Dave torna-se num herói por salvar Mike e outros. Agora não tenho mesmo dúvidas que a desavença que Dave tem com Mike é por este ter morto, ainda que em legítima defesa, o irmão do primeiro. Julie está de volta e traz consigo o seu novo namorado quarentão, o que faz Susan pirar de vez. Admito que gosto da Susan, embora o argumento tenda a fazê-la mais infantil e trapalhona do que ela realmente é, e a sua química com Julie é excelente. Impagável a discussão sobre casamentos múltiplos com o “novo” possível futuro genro. Gaby finalmente faz valer a sério o seu papel de mãe e as diferenças que ocorreram naqueles 5 anos ao não deixar que a velhota interfira na educação das suas filhas. Lynette vê-se a braços com a possível fuga do filho coma mulher casada que ele engravidou e, ao agir em desespero de mãe, acaba por propiciar uma cena de violência doméstica. Engraçado como é sempre Lynette a ficar com as histórias mais pesadas (excepção feita ao alcoolismo de Bree e ao abandono de Andrew na segunda temporada). Falando na Bree, a sua parte foi o elo mais fraco do episódio: mais uma vez a viver das aparências, viu-se logo que a jornalista não era aquela víbora e que tudo se resolveria a bem. No incêndio, pensei o namorado da Susan, Jackson, morreria, o que até nem era mal pensado, pois actor e personagem são dispensáveis. Agora com Dave como o herói da vizinhança e com o psiquiatra fora de cena, como será o mistério desvendado? É por episódios assim que vale a pena seguir Desperate Housewives.

9 potes de banha

 

Entourage 5x11: Play’n With Fire

Quem acompanha o Episódios da Semana sabe que Entourage é, regra geral, o ponto alto da semana. Ainda assim, raras vezes lhe atribuí nota máxima e a explicação para isso é simples e a mais elogiosa possível: a série tem uma qualidade tão grande que eu sinto-me obrigado a ser exigente na mesma medida. Porém, este episódio arrebentou com tudo. Descobrimos que Verner nunca quis Vince no elenco de Smokejumpers fazendo-lhe a vida negra nos sets de filmagem, o que proporcionou uma épica (e mais comum do que se pensa na vida real) discussão e durante a qual Vince é despedido do papel. É então que Ari Gold é chamado para socorrer o seu cliente que, em mais uma fabulosa interpretação de Jeremy Piven (o quarto Emmy consecutivo já está garantido!), tenta de tudo para reverter a situação e despedir Verner. Só que no meio de toda a verborreia de Ari nota-se o seu desespero pela situação estar fora de controlo: Verner é intratável com todos e chega ao ponto de suplicar aos executivos a substituição de Vince por Ashton Kutcher! No final, a produção é cancelada e Vince vê o papel que o traria de volta à ribalta ir pelo cano abaixo. O episódio ainda trouxe uma comovente história de Turtle que, desde a altura em que dava os primeiros passos como agente, teve o destaque merecido. Turtle sempre foi o vértice mais fraco do grupo, mas aqui redimiu-se: andando pela cidade com a tal actriz d’ Os Sopranos que conheceu no avião há uns episódios atrás e sem saber nada da batalha travada entre Vince e Verner, ele inicia uma relação sensível com a actriz (ele sabe que não tem estatuto para namorar com ela) e nota-se claramente a amizade que o une a Vince e a fidelidade inabalável que o liga àquele grupo. Episódio fenomenal que deixa uma ansiedade tremenda para o próximo que será o último da temporada. As saudades já apertam.

10 potes de banha

 

Heroes 3x09: It's Coming

Este episódio foi tão fraco que nem sei por onde começar. Que raio de ideia foi aquela de regredir mentalmente Hiro até aos 10 anos? E de onde apareceu aquela revista desenhada pelo Isaac? Do Além? Então Sylar e Elle já eram tão amiguinhos e ele quase que a matava no início da temporada. Amnésia? Não, apenas burrice dos argumentistas e dos produtores. Foi razoável perceber que Sylar absorve os poderes de várias maneiras, só que através da "empatia" leva mais tempo, apesar de não parecer, até porque Heroes mete tudo a correr como naquele treino do Hiro com o pai Nakamura que, à primeira vez que o velho é vencido, Hiro está preparado para a batalha. E todos recordamos muito bem como foi essa "batalha" (com aspas gritantes) que encerrou a primeira temporada, certo? Por falar em batalha, ridículo o embate entre Arthur e a esposa mais o Parkman e a Daphne lá nas mentes de cada um. Afinal, o vilão tem um coração mole e um cérebro de besta porque acabou de dar aos "heróis" uma réstia de esperança para acabar com o seu plano. Incompetente! Tracy vira a casaca e une-se a Arthur assim do nada. Também a personagem já se desvirtuou tanto que a gente já nem liga. Mas nada supera o momento constrangedor em que Claire soma 1 e 1 e chega a 11: ela é o catalisador "guardado" (não perguntem) que concederá novos poderes a novos indivíduos. Lembram-se do eclipse do início da série? Esqueçam. Isso já lá vai. E sabem como Claire descobre isso? Lembrando-se do que Sylar lhe tinha dito no primeiro episódio sobre ela ser "especial". Só que os dois próximos capítulos chamam-se "O Eclipse" e como vai ser? Aparece um sujeito cujo poder é transferir habilidades de humanos para eclipses? E que final foi aquele com "heróis" e "vilões" a fazerem pose preparados para a guerra que se aproxima, embalados pelas narrações sem sentido de Mohinder? Deus nos acuda, esta série é um lixo!

2 potes de banha

 

House 5x08: Emancipation

Neste episódio, as atenções estiveram viradas para Foreman que decidiu aceitar um caso extra, mesmo contrariando as ordens de House. Foi um caso simples de um miúdo que estava a ser inconscientemente sobredosado de vitaminas pelo irmão mais velho. Nada de muito complicado até para não ocupar muito tempo de antena. E tal como o caso da semana que trouxe uma menor emancipada, o que Foreman procurava era emancipar-se da sombra de House. Foi bom ver a antiga equipa a interagir como dantes, o que me irrita ainda mais por saber que os novos assistentes continuam lá. A nova equipa seria óptimo para uma temporada, mas agora já passou o prazo deles (aquela cena em que Taub mente para a paciente com a história da Treze foi péssima). O certo é que a rapariga emancipada mentia a torto e a direito para encobrir a sua situação, o que eu achei excelente até descobrir a verdadeira razão de tanta mentira: ela tinha morto o irmão, o que gerou um conflito interno na sua relação com os pais (mais melodramático seria impossível). Nada de Cuddy durante o episódio, mas tivemos mais um daqueles momentos em que a química entre House e Wilson dá um espectáculo.

7 potes de banha

 

How I Met Your Mother 4x08: Woooo!

Apresentando mais uma das suas teorias sociais (já foram as "pumas", o efeito cheerleader da semana passada, as fases de um encontro romântico, entre outros), o episódio mostrou agora uma rapariga "woooo!", um género de "pita" mais adulta (credo, que expressao foi esta?) que festeja com o seu grupo por tudo e por nada. No fundo, elas são umas falhadas e foi comovente ver a Robin admitir que a sua vida estancou tanto a nível profissional como a nível pessoal. Barney decide levar Ted à sua empresa para que ele projecte o novo edifício da Goliath National Bank e vê-se entre ter de escolher o amigo ou os Sven, um grupo de arquitectos que mais parece uma banda deEurodancesaída dos anos 90. A cena em que eles apresentam o projecto (um edifício em forma de dinossauro que solta fogo) é hilariante. Só mesmo Barney para se deixar seduzir por uma coisa daquelas.

8 potes de banha

 

Prison Break 4x11: Quiet Riot

Descontando o facto do Self ter ido apanhar T-Bag com uma agente que mal deve saber disparar e, claro, foi apanhado por isso, este foi um episódio bom e trepidante. Principalmente pela longa e detalhada cena em que acompanhamos a invasão ao depósito onde está Scylla, numa cena a fazer lembrar Missão: Impossível. Scofield não vai para o hospital tratar-se para conseguir terminar a missão, mas, sinceramente, a parte que lhe foi destinada qualquer um podia fazer. Pronto, digamos que o rapaz foi inspeccionar a obra e não quis deixar de dar a sua assinatura (hehehe). No fim, um dos alarmes é activado e o pessoal da Companhia está a um passo de apanhar a gangue, mas eu aposto que Scofield previu esse alarme "oculto" e tudo correrá como o planeado (a não ser que lhe dê outra dor de cabeça... ou então, é o tal tumor que já não o deixa raciocinar como dantes e, então, o grupo está lixado!). Gretchen não consegue roubar o sexto cartão porque o velhote já a topou e, no fim, acaba por capturar Self e a amiga. No próximo episódio e a avaliar pelo título do mesmo, será que vamos ter uma morte importante?

8 potes de banha

 

Segundo consta por aí, as séries Eli Stone, Pushing Daisies e Dirty Sexy Money estão canceladas. Não acompanhava nenhuma por isso não deverão fazer falta. A única que ainda dei uma espiadela foi Pushing Daisies e achei extremamente maçante.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11



Banha de Cobra

Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D