Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fringe: oh, l'amour

por Antero, em 27.03.12

ALERTA DE SPOILER! Este post contém informações relevantes, pelo que é aconselhável que só leiam caso estejam a par da exibição norte-americana.

 

 

Fringe 4x15: A Short Story About Love

Amor é a resposta, minha gente! Foi o amor de Olivia e Walter por Peter (e vice-versa) que fez com que este não fosse apagado completamente da existência e tenha voltado em circunstâncias que ultrapassam o intelecto dos Observadores. "Não há explicação científica" – diz Setembro, mas eu posso avançar com uma: cortexiphan. Olivia foi sujeita a doses massivas e, de alguma forma, a droga deve ter ativado algum resquício da sua consciência que não era apenas uma vã lembrança, mas um sentimento muito forte. E não se esqueçam que, alertado pelos seus amigos carecas no início da temporada, Setembro teve oportunidade de forçar um novo "reajustamento" na linha temporal e recuou na sua missão.

 

Muitos acharão que explodiu uma bomba de lamechice numa série habituada a dar respostas tão "racionais", mas eu sou daqueles que acredita que Fringe contorna as situações mais melosas com imensa classe, como na cena em que Olivia confessa a Nina que prefere ficar com as memórias que a levem a perseguir alguém que a complete do que com aquelas que "vivenciou" ao longo do tempo e pede à madrasta que não deixe de tentar de estabelecer novamente um laço afetivo com ela. Simples, belo e tocante.

 

O caso da semana, confesso, foi desinteressante. Um cientista que matava homens para captar as suas feromonas e, antes de assassinar as respetivas companheiras, tinha acesso a um lampejo do que é sentir-se amado. Tudo muito óbvio e chatinho, apenas deu para ver como Lincoln não tem hipótese na luta pelo coração de Olivia e acaba com olhos de carneiro mal morto. Até por que Olivia decide voltar para Peter e este, na posse da informação de que sempre esteve em casa e esta é a sua amada, regressa aos braços da nossa heroína sem pensar duas vezes.

 

Pois é: nada de Lado C e afins. Esta é mesmo a realidade de sempre, reescrita com a "morte" de Peter. Os argumentistas enfiaram-nos numa espiral de dúvidas e certezas que se revelaram erradas e conseguiram o feito de nos manter em constante suspense sobre a grande questão da temporada: que universo era este. E agora como voltará (se é que voltará) tudo ao que era antes?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:30


3 comentários

Sem imagem de perfil

De João Manuel a 27.03.2012 às 18:42

Esta 4ª temporada de Fringe veio retirar algum potencial e qualidade à série.

Muito sinceramente, penso que não fomos só nós que ficámos imersos em dúvidas, os próprios escritores também não sabiam que rumo iriam dar à série e optaram por manter várias possibilidades em aberto. Escusado será dizer que o resultado não tem sido bom.

Uma série com tanto potencial acaba por perder qualidade devido a indecisões: 1 - como disse no parágrafo anterior, dos argumentistas; 2 - do próprio canal que transmite a série.

Este segundo ponto, para mim, tem levado a esta continuidade de incerteza dos argumentistas na medida em que muitas dúvidas têm subsistido relativamente à continuidade da série. E agora? Temos mais uma temporada ou não? Se temos podemos manter um ritmo de revelações mais contido. Se não temos vamos revelar tudo de uma só vez.

Parece-me que neste episódio se mostra claro que os argumentistas não estão nada convencidos da continuidade da série e que, como tal, é preferível cortar o mal pela raiz e preparar já o seu final.

Verdade se diga, atendendo à qualidade dos episódios finais, longe está de poder ser um final épico já que, como disse, a série nesta 4ª temporada decresceu e de que maneira a sua qualidade. Os casos tornaram-se desinteressantes e desnecessários (estão lá para garantir os 42 minutos de cada episódio) e as personagens têm tido um desenvolvimento hediondo, caindo muitas vezes no exagero sentimental.
Imagem de perfil

De Antero a 27.03.2012 às 19:21

Caro João Manuel, só concordo consigo num ponto: a indecisão da FOX quanto ao futuro da série. As audiências são péssimas e podem ter ditado o rumo dos próximos episódios e, de certa forma, condicionado as opções dos argumentistas.

Em tudo o resto, creio que estes têm feito um trabalho muito seguro e as tais dúvidas plantadas ao longo do tempo creio que reflectem mais a confusão das personagens (e, consequentemente, a dos espectadores) do que propriamente da equipa que escreve a série. Quanto à parte do sentimentalismo, sou da opinião de que Fringe lida com ele com bastante sobriedade, embora tenha de dar o braço a torcer em relação aos casos da semana (e já por várias vezes reclamei que gostava de ver ambos os universos em colaboração mútua).

Vamos ver o que a série nos aguarda no futuro.
Sem imagem de perfil

De Dark a 04.04.2012 às 00:23

Como disse no 4x13 apenas uma lavagem cerebral da malta ;)
Vamos ver como é q a coisa corre agora...

PS: E setembro vivo? Quase que ja tinha saudades :D

Comentar post



Banha de Cobra

Alvará

Antero Eduardo Monteiro. 30 anos. Residente em Espinho, Aveiro, Portugal, Europa, Terra, Sistema Solar, Via Láctea. De momento está desempregado, mas já trabalhou como Técnico de Multimédia (seja lá o que isso for...) fazendo uso do grau de licenciado em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro. Gosta de cinema, séries, comics, dormir, de chatear os outros e de ser pouco chateado. O presente estaminé serve para falar de tudo e de mais alguma coisa. Insultos positivos são bem-vindos. E, desde já, obrigado pela visita e volte sempre!

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Armazém

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D